Microsoft anuncia avatares 3D para o Teams de olho no metaverso


Recurso previsto para 2022 permitirá que usuários criem representações de si próprios para reuniões online de suas empresas, que terão opção de criar ambientes imersivos. Universo virtual também está nos planos do Facebook. Microsoft diz que Mesh para Teams é porta de entrada para o metaverso
Microsoft
A Microsoft vai permitir que usuários do Teams criem avatares 3D para participar de reuniões online a partir de 2022. O recurso busca permitir colaboração no metaverso, uma espécie de universo virtual que também está no foco do Facebook.
O Mesh para Teams, como foi chamado pela Microsoft, é um recurso para funcionários de empresas criarem representações de si mesmos para serem usadas nas reuniões virtuais. O recurso será uma alternativa para imagens estáticas, em que os usuários não aparecem nas chamadas.
Facebook anuncia Meta, novo nome para sua controladora
O que é o metaverso, apontado como o futuro do Facebook por Mark Zuckerberg
As empresas também poderão usar o Teams para criar seus metaversos. Nesses ambientes, os colaboradores poderão socializar com colegas e colaborar em projetos.
O Mesh para Teams é “uma porta de entrada para o metaverso – um mundo digital persistente que é habitado por gêmeos digitais de pessoas, lugares e coisas”, segundo a Microsoft.
“Pense no metaverso como uma nova versão, ou uma nova visão da internet, onde as pessoas se reúnem para se comunicar, colaborar e compartilhar através de uma presença virtual pessoal em qualquer dispositivo”, disse a empresa.
Assim que o Mesh para Teams for liberado, os usuários poderão criar um avatar personalizado para participar das reuniões.
Segundo a Microsoft, o recurso será compatível com smartphones, computadores e dispositivos de realidade mista. A ideia, de acordo com a companhia, é “tornar as chamadas online mais pessoais, envolventes e divertidas”.
Empresas poderão usar Mesh para Teams para criar ambientes imersivos
Microsoft
Metaverso do Facebook
O metaverso é visto por Mark Zuckerberg como o futuro de sua empresa, que chegou a mudar o nome de sua controladora para Meta. O termo passou a ser usado para se referir à marca responsável pelos aplicativos Facebook, Instagram e WhatsApp e a empresa de dispositivos de realidade virtual Oculus.
“Com o tempo, espero que sejamos vistos como uma empresa de metaverso e quero ancorar nosso trabalho e identidade na direção do que estamos construindo”, disse Zuckerberg na última quinta-feira (28).
A empresa trabalha no Facebook Horizon, uma plataforma que simula ambientes virtuais para realizar reuniões de trabalho e assistir a shows virtuais. Com a ferramenta, os usuários também poderão criar casas para seus avatares.
A mudança no nome do Facebook ocorre em meio ao vazamento de documentos da empresa, em um caso que ficou conhecido como “Facebook Papers”. O material divulgado por ex-funcionários revelou, entre outras acusações, que a companhia sabia que radicalizava seus usuários e que o Instagram é “tóxico” para adolescentes.
O que será do metaverso do Facebook?
Wagner Magalhaes / g1
Facebook anuncia que sua controladora agora se chama Meta