Michele Morrone, de ‘365 dias’, aposta na música e fala de vinda ao Brasil: ‘1 mês valeu por 3 anos’


Ao G1, ator confirma sequência do filme e responde críticas de que roteiro ‘romantiza’ estupro e sequestro: ‘Pudemos falar sobre um tema muito importante que é a violência contra a mulher.’ Michele Morrone se divide entre música e cinema
O italiano Michele Morrone é do tipo que chama a atenção: alto, moreno, forte. Essas palavras são dele mesmo, para descrever o tipo que o diretor de “365 dias” estava buscando para estrelar o filme.
Desde que estreou na Netflix, em junho, o longa fez sucesso, gerou polêmicas e foi um marco para a carreira de Morrone: graças a ele, lançou seu primeiro álbum, viu chover propostas de trabalho e também perguntas incômodas.
Em entrevista ao G1 para divulgar o álbum “Dark room”, Morrone contou o que o inspira a compor, por que nega todos os projetos de filme na Itália. Ele também diz o que sentiu quando passou um mês no Brasil e respondeu a algumas dessas perguntas incômodas – e inevitáveis.
Aventura na música
Michele Morrone, ator e cantor italiano
Divulgação
Michele Morrone tem 29 anos de idade, seis anos de carreira como ator e sete meses como cantor. Ele diz que sempre cantou como hobby e aprendeu a tocar violão com 23 anos, assistindo a vídeos no Youtube. “Não tinha dinheiro para pagar um curso naquela época”, conta.
A brincadeira ficou séria durante um jantar com o produtor de “365 dias”. Morrone mostrou “Dark room” para ele e recebeu um convite para gravar as músicas do filme. “Foi totalmente inesperado. Eu sempre tive paixão por cantar, por escrever músicas, mas nunca levei a sério. Devo muito à minha agente que insistiu para que eu fizesse”.
O cantor usa situações delicadas de sua vida para compor. Ele enfrentou depressão depois de seu divórcio, em 2018. “Dark Room” toca esse mal estar.
“Por exemplo, ‘Next’ fala sobre um grande amigo meu que desapareceu de um momento para o outro e ninguém sabia onde estava. ‘Dad’ fala sobre meu pai, é um diálogo entre meu pai e eu”, explica. Morrone perdeu o pai quando era adolescente. Ele sempre diz que sente falta do pai, principalmente na criação de seus dois filhos, Marcus e Brando.
Segundo Morrone, ele pretende dividir a carreira entre música e cinema e já prepara novas colaborações para fazer. Em agosto, “Dark Room” ganhou um remix do DJ R3HAB. Seu álbum faz sucesso no Brasil: São Paulo e Rio de Janeiro estão entre as cinco cidades que mais o ouviram no Spotify.
‘365 2’ e planos no cinema
Michele Morrone e Anna Maria Sieklucka no filme ‘365 dias’
Reprodução/IMDb
O ator diz que quase desistiu da carreira antes de estrelar “365 dias”. “Eu estava passando por um momento muito ruim da minha vida e, quando me propuseram, apenas disse que não. Não queria mais atuar, não queria mais nada, só estava trabalhando como jardineiro porque queria ter empregos normais para pagar minhas coisas.”
“Mas não fiquei feliz porque sabia que não poderia dar aos meus filhos a vida que eles merecem. Quando me ligaram, estavam procurando esse tipo italiano, alto, cabelo castanho, esse tipo de personagem. É por isso que decidi voar para a Polônia. Eu considerei como minha última oportunidade.”
“365 dias” é quase um “50 tons de cinza” da máfia. Uma jovem polonesa é sequestrada por um mafioso italiano e tem 365 dias para se apaixonar por ele. O filme tem cenas longas e realistas de sexo entre o casal.
Ele fez sucesso, ficando várias semanas entre os 10 mais vistos da plataforma, mas também recebeu críticas. Muita gente acusou o longa de “romantizar” estupro e sequestro.
Morrone parece não gostar muito de responder a esta pergunta. “Em primeiro lugar, acho que cada um de nós tem seu ponto de vista. Eu tenho o meu ponto de vista, você tem o seu, e todos devemos respeitar isso.”
Segundo o ator, o filme deve ser usado para debater questões de violência contra mulheres. “Por meio do filme, pudemos falar sobre um tema muito importante que é a violência contra a mulher. Então, e se em vez de julgar o personagem, nós realmente falássemos sobre como podemos evitar a violência?”
“Mas, como ator, eu só fiz meu trabalho. Aceitei esse filme, queria ser bom nesse filme e atuei. Michele Morrone não é Maximo Torricelli. Michele Morrone tem três irmãs, duas sobrinhas e adora as mulheres, sabe?”
Seja como for, ele volta para fazer uma sequência do filme. Já deveriam estar filmando, mas a pandemia de Covid-19 adiou os planos.
Além disso, recebeu inúmeras propostas. “Tenho muitos projetos, só tenho que escolher o certo. Eu não quero aceitar tudo que me propõem. Caso contrário, estarei em todo lugar.”
Morrone analisa roteiros de várias partes do mundo, de Hollywood à Espanha, mas sabe um lugar que não quer estar: a Itália. “Recusei todas as propostas porque acho que não faria bem para a minha carreira”. Parece que tem algum ressentimento com a indústria do país. Ele não responde a essa pergunta, mas sorri ironicamente.
O ator tem três filmes, duas participações e um papel fixo em séries e uma minissérie no currículo.
Brasil, favelas e Anitta
Michele Morrone e Luísa Arraes nas filmagens de ‘Duetto’ no Rio de Janeiro
Reprodução/Instagram/Michele Morrone
Morrone passou um mês no Rio de Janeiro para gravar “Duetto”, drama familiar ítalo-brasileiro, em 2019.
No elenco, estão Marieta Severo, Maeve Jinkings, Giancarlo Giannini, Rodrigo Lombardi e Gabriel Leone. Morrone contracena com Luísa Arraes. Segundo ele, houve algum problema na pós-produção e por isso ainda não há data de estreia.
Sobre a experiência no Brasil, o ator diz que saiu transformado. “Fiquei um mês em Copacabana. Eu estava totalmente louco, adorei, ia todas as noites tomar água de coco na praia e ouvir música brasileira”, diz.
“Eu juro, passei um mês no Brasil e foi como três anos de escola da vida. Visitei algumas favelas. Quando você percebe que está lá, esquece de ter relógios caros, carros, casa. Quando você vê essas crianças vivendo todos os dias, você pensa o que é a vida?”
Morrone ganhou muitos fãs brasileiros. Um desses fãs é Anitta. Na itália, a cantora o convidou, pelo Instagram, para ir a seu show, mas ele não compareceu. O ator diz que não foi desfeita. “Recebo muitas mensagens no Instagram e não tenho tempo para olhar todas. Eu não vi que tinha recebido esse convite”, explica.
Initial plugin text