Mesmo lentas, vendas de café do Brasil já superam 50 milhões de sacas, diz Safras


Volume equivale a 80% do total projetado para 2018/19. País é o maior produtor e exportador mundial. Produção de café na safra 2018/19 deve chegar a 63,7 milhões de sacas, projeta a consultoria Safras
Reprodução/RPC
Produtores brasileiros já venderam 50,78 milhões de sacas de 60 quilos de café da safra recorde de 2018/19, colhida no ano passado, ainda que os negócios apresentem um ritmo mais lento na comparação com a média histórica para esta época. A avaliação foi divulgada nesta quinta-feira (13) pela consultoria Safras & Mercado.
“Os armazéns ainda cheios, devido à safra recorde colhida no ano passado, também reforçam a impressão de que as vendas avançam muito lentamente. O fluxo anda pouco em termos percentuais, mas o volume comprometido é significativo”, destacou o especialista em café Gil Barabach.
O Brasil é o maior produtor e exportador mundial de café.
Com base na previsão da consultoria de uma safra de 63,7 milhões de sacas, o analista apontou que a comercialização avançou 6 pontos percentuais ante o último mês, para 80% do total projetado.
O índice está abaixo do registrado no mesmo período para a produção da safra anterior (85%) e da média dos últimos 5 anos para esta época (84%).
Considerando a previsão da véspera do conselho de exportadores (Cecafé), de embarques recordes de quase 40 milhões de sacas em 2018/19 (julho/junho), e um consumo interno anual de mais de 20 milhões de sacas, a indicação é de que o volume produzido ficará bem ajustado à demanda.
Segundo o consultor, as vendas de café arábica evoluíram de forma mais acelerada em fevereiro, com o produtor comprometendo 78% da safra.
Mesmo assim, o percentual comercializado continua abaixo de igual período do ano passado (84%), e também aquém da média para o período (84%), em meio a preços fracos do café, que repercutem a grande safra do Brasil no ano passado, além da expectativa de produção futura.
A vendas de café conilon, por sua vez, alcançam 86% da safra estimada, abaixo de igual época do ano passado (91%) e também da média de 5 anos (85%).