Mercado de livros fecha primeiro semestre com aumento de 9 milhões de obras vendidas em relação a 2020


Faturamento do período superou a marca de R$1 bilhão. No ano passado, o valor foi de R$846 milhões. Promoções, redes sociais e lançamentos contribuíram. Uma das lojas da livraria Barnes & Noble, na Flórida, tem espaço dedicado aos livros que trendam no TikTok
Reprodução/Facebook/Barnes & Noble
O mercado de livros cresceu em 2021. No primeiro período deste ano, foram vendidos 28 milhões de obras. No mesmo período do ano passado, o volume era de 18,9 milhões. O aumento representa 48,5% em volume de vendas e a recuperação do setor na pandemia.
O faturamento também subiu: passou de R$846,2 milhões em 2020 para R$1,19 bilhão em 2021, um aumento de 39,9%. Os dados foram levantados pela Nielsen BookScan e divulgados pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL).
Segundo Marcos da Veiga Pereira, presidente do sindicato, a recuperação começou em setembro do ano passado. Entre os fatores que ajudam a explicar o aumento, estão:
Ações promocionais
Muitos lançamentos
Ação nas redes sociais
Em julho, o G1 mostrou a influência do TikTok neste mercado. Obras famosas e divulgadas na rede social estavam entre as mais vendidas do mês no Brasil. As vendas de literatura infantojuvenil subiram 42% este ano.
VÍDEO: Livros indicados no TikTok entram em listas de mais vendidos no Brasil
Veja, abaixo, outros dados da pesquisa:
Além dos dados gerais do semestre, o período entre o fim de junho e o começo de julho marcou o maior crescimento do ano: o volume de obras vendidas aumentou 59,3%; e o faturamento, 58,4%;
O preço médio do livro diminuiu pouco mais de R$ 2: passou de R$44,86 para R$42,26;
Livros de ficção são os mais baratos (média de R$ 36,97); os de não ficção especialista (títulos científicos, técnicos e profissionais), os mais caros (R$59,21).