Medidas contra coronavírus adiam e cancelam mais shows, festivais e estreias de filmes


Festivais SXSW e Ultra Music, nos EUA, e Tomorrowland, na França, estão entre eventos suspensos; Coachella foi adiado. Indústria enfrenta cancelamentos desde fevereiro. Madonna, SXSW, James Bond, Tomorrowland Winter e Pearl Jam foram alguns dos afetados pela epidemia de coronavírus
Reprodução/Instagram, Reprodução/Globonews, Divulgação e Marcelo Brandt/G1
O número de eventos culturais cancelados ou adiados em todo o mundo tem aumentado em março por causa da epidemia do novo coronavírus.
São festivais, shows, estreias de filmes e até desfiles suspensos ou com mudanças de datas para evitar aglomerações de pessoas – medidas tomadas desde fevereiro.
Já são mais de 4 mil mortes e 110 mil casos confirmados de Covid-19, a doença causada pela nova forma do vírus, ao redor do mundo.
O festival Coachella, mais importante da música pop nos EUA, foi adiado de abril para outubro. As brasileiras Anitta e Pabllo Vittar estavam na programação, e o evento ainda não confirmou se o line up será exatamente o mesmo ou se haverá mudanças.
Um comunicado do festival diz que quem tiver comprado ingresso e não puder ir em outubro poderá pedir ressarcimento, e que as instruções sobre isso serão dadas no dia 13 de março.
Outro cancelamento significativo é o do festival SXSW, também conhecido como South by Southwest, que aconteceria no Texas, nos Estados Unidos, entre os dias 13 e 22 de março.
O evento anual acontece desde 1987 e é muito importante tanto no cenário de música e cultura alternativa quanto na indústria de inovação e tecnologia.
De acordo com a política do festival, não devem acontecer reembolsos em dinheiro para o público. “Todo e qualquer pagamento feito ao SXSW não são reembolsáveis por qualquer razão, incluindo, sem limitações, impossibilidade de usar credenciais por causa de doença, atos divinos, problemas com viagem, atos de terrorismo, perda de emprego ou compras duplicadas”, afirma o evento em seu site.
Segundo o site Consequence of Sound, os organizadores dizem que donos de ingressos poderão utilizá-los em edições de 2021, 2022 ou 2023. Em um e-mail enviado ao público, eles também afirmam que pensam em realizar uma nova edição ainda em 2020.
Ultra Music Festival, evento de música eletrônica em Miami, foi cancelado por conta do coronavírus
Reprodução/Instagram/Ultra
Também nos Estados Unidos, o Ultra Music Festival, marcado em Miami nos dias 20, 21 e 22 de março, também foi cancelado. Major Lazer, David Guetta , Gryffin e DJ Snake estavam entre as atrações.
O evento de música enfrenta situação parecida ao SXSW, e também não oferecerá reembolsos em dinheiro. No lugar, a organização diz que donos de ingressos têm 30 dias para decidir se os utilizarão na edição de 2021 ou na de 2022.
Preocupados com o avanço da doença na América do Norte, o Pearl Jam adiou a parte da turnê de seu novo disco, “Gigaton”, que aconteceria nos Estados Unidos e no Canadá entre 18 de março e 19 de abril.
Na França, o governo proibiu a partir deste domingo (8) qualquer aglomeração com mais de mil pessoas. Por isso, eventos como o Tomorrowland Winter também tiveram de ser cancelados. A edição local do festival de música eletrônica seria realizado entre 14 e 21 de março.
O país também teve os dois últimos shows de Madonna em Paris cancelados pelo mesmo motivo. Além da cantora, o museu do Louvre restringiu acesso a suas obras, e a Filarmônica e a Feira do Livro da cidade suspenderam seus eventos.
Avril Lavigne encerra turnê no Brasil
Nina Quintana / Divulgação
Na Ásia, Avril Lavigne teve de cancelar sua turnê pelo continente, que aconteceria entre 23 de abril e 24 de maio.
Um show beneficente por causa das queimadas na Austrália, que aconteceria nesta sexta-feira (13), perdeu sua atração principal e teve de ser cancelado quando Miley Cyrus anunciou que não poderia comparecer.
“Estou muito triste por não estar lá, mas preciso fazer o que é certo para proteger a saúde e segurança da minha banda e equipe. Seguirei fazendo a doação para ajudar as vítimas dos incêndios florestais na Austrália”, escreveu a cantora.
Outra grande mudança de datas motivada pela epidemia foi a mudança do lançamento do novo filme de James Bond, “007 – Sem tempo para morrer”. Com estreia marcada para 31 de março em Londres, o 25º filme sobre o espião foi adiado para 19 de novembro no Brasil, mesmo mês marcado para a maior parte do mundo.
Outro evento adiado para novembro foi o desfile de Giorgio Armani em Dubai, originalmente programado para 19 e 20 de abril.
Medidas anteriores
Como o medo do coronavírus está alterando rota do pop
Até o começo de março, outros eventos já tinham sido cancelados. Além de shows de bandas de k-pop adiados, as gravações do novo “Missão: Impossível” em Veneza foram suspensas.
Antes mesmo de restringir o movimento em todo o país, a Itália também já mostrava sua preocupação com o cancelamento de diversos desfiles da Semana de Moda de Milão.