Marilyn Manson se entrega à polícia por causa de agressão de 2019 e aguarda audiência em liberdade


Cantor é acusado de dois casos de delito por agredir uma cinegrafista. Ele foi autuado e solto sem fiança. Ele também é acusado de agressão sexual em outros casos. Marilyn Manson, em foto de dezembro de 2019
Richard Shotwell/Invision/AP/Arquivo
Marilyn Manson se entregou à polícia de Los Angeles na sexta-feira (2) após ser alvo de um mandado de prisão por agressão emitido pela polícia de New Hampshire, nos Estados Unidos. A informação só foi confirmada nesta sexta-feira (9) pela imprensa dos EUA.
O cantor é acusado de ter cuspido em uma cinegrafista durante um show em 2019. O mandado de prisão foi emitido em 8 de outubro de 2019.
Desde então, segundo a polícia de New Hampshire, a equipe do cantor tem sido notificada, mas ele não retornou ao estado para responder à acusação.
De acordo com a polícia, eles decidiram tornar o mandado público agora por conta das acusações de agressão e abuso sexual feitas contra Manson nos últimos meses.
Em fevereiro, a atriz e ativista Evan Rachel Wood revelou que sofreu abuso durante anos por Marilyn Manson, seu ex-namorado.
Ao jornal “The New York Times”, o advogado de Manson, Howard King, disse que a cinegrafista pediu mais de US$ 35 mil “depois que uma pequena quantidade de saliva entrou em contato com seu braço.” “Depois que pedimos evidência dos danos alegados, nunca recebemos resposta”, afirmou King.
Leia também: Manson diz que ‘relacionamentos íntimos sempre foram consensuais’
Marilyn Manson perde contrato com gravadora após acusação de abuso
VÍDEOS: Semana Pop tem tudo sobre celebridades e mais