‘Marighella’ é filme do ano com tom nacionalista e emocionante, mas peca nos excessos; g1 já viu


Estreante na direção, Wagner Moura usa elementos de ação para contar história sobre últimos anos do político e guerrilheiro. Filme peca por intenções claras demais. Estreia é nesta quinta (4). Seu Jorge e o diretor Wagner Moura no set de ‘Marighella’
Divulgação
Wagner Moura é um ator dirigindo um filme. E uma pessoa com fortes convicções contando uma história. Os dois aspectos ficam claros nas escolhas tomadas por ele em “Marighella”. Ele tem posições e não as esconde.
Mesmo cercado de polêmicas e com alguns excessos, é o filme do ano. Pela parte técnica, já seria um filmão, desses que vale a pena ver: tem ação, perseguição, romance, drama e história.
Moura resolveu focar nos últimos anos da vida de Carlos Marighella e sua atuação à frente da Ação Nacional Libertadora para encaixar as cenas explosivas. “É popular”, costuma dizer o diretor.
‘É polêmico, foi atacado do começo ao fim’, diz Moura
Filme atrasou dois anos para ser lançado
Moura lança ‘Marighella’ no festival de Berlim
Trailer de ‘Marighella’
Também pelo apelo de sua figura: deputado, negro, guerrilheiro, conhecido internacionalmente, torturado, preso, assassinado, arquiteto de ataques, herói e vilão. Marighella é muitas coisas e Moura explora esse imaginário quase mítico em torno do homem.
E, claro, pela curiosidade de um filme – o primeiro – dirigido pelo ator, em plena carreira internacional e envolvido em obras de sucesso como “Narcos” e “Tropa de Elite”. A recepção internacional foi boa: tem 88% de aprovação da crítica no site Rotten Tomatoes, especializado em cinema.
Entre os pontos positivos está justamente a escolha pela ação, ela injeta dinamismo em uma história longuíssima de 2h40.
Moura também mostra sem pudores violência, tortura, surras e sangue. A visceralidade é estética, mas também panfletária. No entanto, nunca é gratuita; as cenas têm contexto e razão definidos.
Ele também acerta na abordagem às relações. É um filme político, mas extremamente sensível, com cenas pequenas, que não duram mais de dois minutos, cotidianas e, ainda assim, emocionantes. É fácil chorar em momentos completamente inesperados.
Mas “Marighella”, por mais bonito que seja, não é feito só de acertos.
Resgate nacionalista
Seu Jorge como ‘Marighella’
Divulgação
À primeira vista, causa estranheza a exaltação nacionalista no filme com elementos visuais e sonoros: a bandeira do Brasil muito presente, o hino nacional cantado pelas crianças e declamado por guerrilheiros.
O uso da palavra patriota, no entanto, é o que mais chama atenção. Os personagens enchem a boca muitas vezes para dizer que o são. Em uma das cenas, que de fato ocorreu, um guerrilheiro é torturado pela polícia enquanto grita: “vocês estão matando um brasileiro”.
Quem disse isso em desespero antes de ser assassinado em 1969 foi o operário e guerrilheiro Virgílio Gomes da Silva. No filme, ele se tornou Jorge, interpretado lindamente por Jorge Paz. A intenção é clara: resgatar os símbolos nacionalistas da direita e da extrema-direita e reaproximá-los da esquerda.
Seu Jorge em ‘Marighella’, de Wagner Moura
Divulgação
Também é declarada a intenção de colocar Carlos Marighella como um herói nacional, muito bondoso, munidos de belos discursos conciliadores. Por fim, há intenção de resgatar a imagem de uma igreja engajada com a luta pela democracia.
São essas intenções claras demais que tornam algumas cenas excessivas e tiram a naturalidade tanto do filme quanto da história real da ditadura militar e suas forças de resistência.
Outro ponto que atrapalha a fluidez do filme e o desempenho de alguns personagens é o roteiro. Algumas falas, às vezes, parecem saídas de uma cartilha militante.
Show de Seu Jorge
Seu Jorge não foi a primeira opção de Wagner Moura para o papel e sua escalação foi criticada por colorismo. Explico: Wagner queria Mano Brown, mas ele não pôde participar do filme. Ele fez testes com outros atores, mas não gostou do que viu. Então, pensou em Jorge. O cantor e ator, porém, tem o tom de pele mais escuro que Marighella e, por isso, algumas pessoas criticaram a escolha.
Wagner Moura explica ‘Marighella’
Mas Seu Jorge arrebata com sua interpretação. Ele é duro na mesma medida que é doce e amoroso, sempre explosivo. E carrega todos os sentimentos no olhar. Ele está tão bem no papel que a gente chega a se lamentar por não o ver atuar mais.
O elenco tem outras estrelas:
Adriana Esteves faz uma pequena participação como Clara Charf, esposa de Marighella;
Bruno Gagliasso interpreta o delegado Fleury;
Herson Capri é o jornalista Jorge Salles;
Humberto Carrão, Bella Camero, Jorge Paz e Rafael Lozano são guerrilheiros.
Quem se destaca é quem tem histórias mais bem construídas, como Jorge Paz. Esteves, mesmo com um papel pequeno, também enche a tela com suas preocupações em relação ao protagonista e os rumos da resistência.
E, por fim, Gagliasso, que encarna a perversidade do carrasco da ditadura sem deixar de ser também humano.
Adriana Esteves e Seu Jorge em cena de ‘Marighella’
Divulgação