Mamãe onça enfrenta outra onça-pintada que tentou mexer com o filhote dela no Pantanal de MT e fotógrafo carioca registra a cena


Fotógrafo acredita que onça-pintada flagrou momento em que outra onça fazia armadilha para capturar o filhote dela, em demonstração de força e poder. Fotografo carioca registra briga de onças para defender filhote
Luiz Carlos Junior (@explorerlouis)
O fotógrafo carioca Luiz Carlos Junior flagrou uma cena inusitada no Pantanal mato-grossense: uma mamãe onça brigando com outra que estava mexendo com o filhote dela. O registro foi feito na região do Porto Jofre, em Poconé, a 251 km de Cuiabá, há cerca de um mês.
A foto mostra o momento em que a onça mede forças com a outra para proteger a cria. “Acho que a onça tentou fazer alguma armadilha para pegar o filhote e as duas se desentenderam”, disse.
O fotógrafo disse que viu a cena e perguntou ao barqueiro porque uma onça estava interagindo com o filhote da outra. Então, Luiz ouviu do barqueiro que uma onça tenta matar o filhote da outra por pura competição e demonstração de força e poder.
Luiz disse que, apesar de ter sido só uma discussão, e o filhote ter ficado bem, ele sentiu uma certa tristeza, porque viu o comportamento humano de competição refletido na cena.
“A mentalidade de má competição é balizada pela escassez e pela falta de criatividade e inteligência. Quanto mais vejo o mundo animal, mais aprendo sobre os homens”, comentou.
LEIA TAMBÉM
Fotógrafo flagra jacarés amontoados em busca de água no Pantanal de MT; Vídeo
Pantanal perdeu 29% de água e campos alagados em 30 anos, diz pesquisa
Biólogo flagra filhote de onça-pintada carregando latinha de cerveja no Pantanal em MT: ‘triste e revoltante’
Cerca de 200 jacarés são transportados no Pantanal de MT para evitar canibalismo e mortes
Fotógrafo americano flagra sucuri lutando contra jacaré no Pantanal em MT
Onça-pintada que teve queimaduras graves durante incêndio no Pantanal de MT é flagrada repousando em mata
Luiz Carlos disse que foi fazer turismo e fotografar os animais no Pantanal e que o mês de setembro foi o escolhido por ser um período de seca. Entretanto, disse que ao chegar no local presenciou uma seca extrema e viu cenas tristes na luta pela sobrevivência.
Ele é fotógrafo, escritor e explorador. Já passou por mais de 25 países desde 2009. O fotógrafo está sempre em busca de culturas e experiências.
Onça que virou símbolo das queimadas no Pantanal, Ousado é fotografado descansando um ano após sofrer queimaduras de 3º grau por causa dos incêndios na região
Marcelo Tchebes
Seca no Pantanal
O Pantanal perdeu 29% de superfície de água e campos alagados entre a cheia de 1988 e a última, em 2018, quase 1% por ano. Se continuar neste ritmo, em 70 anos, o bioma estará seco.
Na primeira cheia registrada na série histórica de imagens de satélite analisadas pelo MapBiomas, esse total era de 5,9 milhões de hectares. Na última, em 2018, a área alcançou apenas 4,1 milhões de hectares. Em 2020, esse valor foi de 1,5 milhões de hectares, o menor nos últimos 36 anos.
Segundo o MapBiomas, mais seco, o Pantanal está também mais suscetível ao fogo. Os períodos úmidos favorecem o desenvolvimento de plantas herbáceas, arbustivas, aquáticas e semi-aquáticas, acumulando biomassa. No período seco, a vegetação seca vira combustível para o fogo.
Seca extrema obriga animais ficarem amontoados nos cocrixos que restaram e lutam pela sobrevivência
Marcelo Oliveira