Lucro da Eletrobras cresce 178% no 1º trimestre e atinge R$ 1,3 bilhão


Receita da líquida da Eletrobras apresentou crescimento de 6%, atingindo R$ 6,452 bilhões no 1º trimestre. Logo da Eletrobras, em prédio da estatal no Rio de Janeiro
Pilar Olivares/Reuters
A Eletrobras (Centrais Elétricas Brasileiras) registrou lucro líquido de R$ 1,347 bilhão no primeiro trimestre de 2019, valor que representa uma alta de 178% em relação ao resultado do mesmo trimestre do ano passado (R$ 484 milhões).
Segundo informou a estatal no balanço, o lucro é o resultado de um lucro líquido de R$ 1,570 bilhão das operações continuadas, descontado o prejuízo líquido de R$ 223 milhões referente às operações descontinuadas (distribuidoras privatizadas).
A maior empresa de eletricidade da América Latina teve um lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de R$ 2,9 bilhões, alta de 15% frente ao mesmo período do ano anterior, segundo balanço divulgado na noite de segunda-feira.
A companhia, que controla um terço da geração e metade da capacidade de transmissão do Brasil, teve receita operacional líquida de R$ 6,45 bilhões entre janeiro e março, avanço de 6% ano a ano.
Já os investimentos somaram R$ 501 milhões, uma queda de 43% na comparação anual, em meio a uma reestruturação da companhia, que nos últimos anos deixou de entrar em novos projetos e passou a vender ativos para reduzir dívida.
O balanço informa ainda que a Eletrobras Holding (controladora da companhia) apresentou lucro líquido de R$ 1,398 bilhão, um crescimento de 205% em comparação ao lucro líquido de R$ 458 milhões registrado no 1º tri de 2018.
Receita da área de geração cresce 24%
A receita da área de geração da empresa saltou 24,3%, para R$ 5,6 bilhões, impulsionada por uma melhoria nos ganhos de hidrelétricas antigas da companhia, que tiveram a receita atualizada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), destaca a Reuters;
Na área de transmissão, as receitas somaram 2 bilhões de reais, 19,6% abaixo do visto no mesmo trimestre de 2018.
Já na área de distribuição, que a Eletrobras deixou com a venda de suas concessionárias no setor ao longo de 2018, ainda gerou à empresa um prejuízo de R$ 223 milhões com operações descontinuadas, embora bem abaixo das perdas de R$ 1,9 bilhão no ano anterior.
A Eletrobras disse que houve um prejuízo de R$ 1,17 bilhão de sua antiga distribuidora no Amazonas, compensada parcialmente por ganhos de R$ 859 milhões decorrentes da venda de sua distribuidora no Alagoas, a Ceal.
Por outro lado, o resultado foi impactado negativamente por R$ 170 milhões em provisão para um Plano de Demissão Consensual lançado pela companhia e por outras provisões de R$ 293 milhões, dos quais R$ 220 milhões devem-se a questões relacionadas ao empréstimo compulsório.