Livro sobre Jards Macalé aponta real data da estreia de Maria Bethânia no Rio de Janeiro


Há a crença de que cantora debutara no show ‘Opinião’ em 13 de fevereiro de 1965, mas houve apresentações anteriores do espetáculo já com a artista no lugar de Nara Leão. ♪ Duas informações equivocadas sobre a estreia de Maria Bethânia nos palcos da cidade do Rio de Janeiro (RJ) em fevereiro de 1965 – como substituta da cantora Nara Leão (1942 – 1989) no elenco do teatralizado show Opinião – vem circulando há anos, propagadas como se fossem verdades.
Uma diz respeito à idade com que Bethânia teria vindo da Bahia para o Rio de Janeiro, em janeiro de 1965, começar a ensaiar o show que entrara em cartaz no Teatro de Arena, no bairro carioca de Copacabana, em 11 de dezembro de 1964.
Não, Bethânia não chegou ao Rio com 17 anos – como costuma alardear em entrevistas, em narrativa romanceada – simplesmente porque a cantora nasceu em 18 de junho de 1946 na cidade interiorana de Santo Amaro da Purificação (BA). Basta fazer as contas para constatar que Bethânia estreou no Rio com 18 anos, já a quatro meses de fazer 19 anos.
A outra informação equivocada é corrigida pelo escritor Fred Coelho no livro Jards Macalé – Eu só faço o que quero (Numa Editora), lançado em dezembro.
Durante décadas, foi propagado que Bethânia estreara oficialmente no Opinião em 13 de fevereiro de 1965, data repetida desde então por vários jornalistas e críticos musicais (inclusive por este colunista). Na página 105 do ensaio biográfico sobre Macalé, Coelho crava que a estreia de Bethânia aconteceu dois dias antes, em 11 de fevereiro de 1965, em apresentação do show Opinião para a imprensa e convidados da produção.
Anúncios em jornais de 12 de fevereiro de 1965 comprovam a data de estreia (para o público pagante) do show ‘Opinião’ com Bethânia
Reprodução
A informação de Coelho parece proceder porque, nas edições de 12 de fevereiro de 1965, uma sexta-feira, os jornais Diário de Notícias e Jornal do Brasil publicaram anúncios sobre a estreia para o público pagante, naquela dia 12, da encenação do show Opinião com Bethânia no lugar de Nara (assunto, aliás, de reportagem publicada na véspera na capa do Caderno B da edição de 11 de fevereiro de 1965 do Jornal do Brasil).
Ambos os anúncios estampam a palavra ‘hoje’ e o horário de 21h30m, deixando claro que, na noite dia 12 de fevereiro de 1965, o público carioca já pôde testemunhar a explosiva interpretação de Carcará (João do Vale e José Cândido, 1964) na voz teatral de Maria Bethânia.
Em tempos em que informações muitas vezes são difundidas sem checagem nas redes sociais, o livro de Fred Coelho presta bom serviço à bibliografia musical brasileira ao apontar a real data da estreia da cantora de 18 anos em palcos cariocas.