‘Lightyear’: Marcos Mion conta sonho de dublar herói da Pixar e que não aceitaria substituir Guilherme Briggs


Em entrevista ao g1, apresentador fala sobre transição do dublador original do boneco de ‘Toy Story’ para o seu trabalho na animação, que conta história do personagem fictício no qual brinquedo foi inspirado. Marcos Mion fala sobre dublagem em ‘Lightyear’
Quando foi anunciado que o protagonista de “Lightyear” seria dublado no Brasil por Marcos Mion, a reação dos fãs de “Toy Story” não foi das mais positivas. Por isso, um dos maiores desafios do apresentador no projeto foi mostrar que ele não assumiria o lugar de Guilherme Briggs, dublador do boneco original desde 1995.
Afinal, são dois personagens bem diferentes, por mais que um seja baseado no outro – o difícil é determinar exatamente a ordem.
“Eu nunca ia querer ver o boneco, Buzz, com outra voz que não fosse a do Briggs”, diz Mion em entrevista ao g1. Assista ao vídeo acima.
“Se fosse um convite para substituir o Briggs eu teria falado não. É bom deixar isso muito claro.”
A animação que estreia nesta quinta-feira (16) nos cinemas brasileiros tenta ajudar a situação de seu principal dublador logo no começo.
Antes mesmo da primeira cena, um letreiro explica que este é o filme (fictício) sobre o herói que inspirou o boneco da franquia.
“Não é uma troca de dublador, mas é uma transição para um outro personagem e os dois coexistem. E quem já assistiu ao filme sabe que é muito legal, porque eles não só coexistem, mas esse é o filme que o Andy assistiu quando foi ao cinema e queria comprar o boneco”, diz o apresentador do “Caldeirão”.
Cena de ‘Lightyear’
Divulgação
A origem de Buzz
A história acompanha o patrulheiro espacial Buzz Lightyear em sua tentativa de salvar toda uma colônia humana após a queda em um planeta hostil, situação causada claramente pela arrogância do próprio.
Para isso, ele mergulha em uma jornada por redenção constituída por diversas viagens próximas à velocidade da luz, em busca de um motor para levar todos a salvo para seu destino.
Enquanto a relatividade faz com que cada um dos voos dure minutos para o piloto e anos para aqueles na superfície, o patrulheiro espacial se mostra cada vez mais obcecado em consertar tudo sozinho – mas descobre que a ajuda pode vir dos lugares mais inesperados.
Com uma cena de um beijo homoafetivo, o filme dirigido por Angus MacLane (codiretor de “Procurando Dory”), foi vetado em 14 países – uma reação homofóbica que o dublador em inglês do protagonista, Chris Evans (o Capitão América, dos filmes da Marvel), classificou como “idiota” em entrevistas durante o lançamento.
Cena de ‘Lightyear’
Divulgação
Mion atrás do sonho
A reação negativa era esperada. Afinal, em um país tão acostumado à dublagem, com profissionais elevados à categoria de ídolos de alguns fãs, não seria a primeira vez que o público não recebe bem a notícia de um famoso de outra área realizando a voz de um protagonista.
E Buzz Lightyear não é exatamente um personagem qualquer, assim como Briggs, famoso por dublar, além do boneco em quatro filmes, os heróis animados de “Freakazoid” e “Samurai Jack”.
“Era um sonho meu, ter um personagem icônico da Disney, da Pixar, ao qual as pessoas remetessem a mim e com o qual eu poderia me identificar”, diz Mion, que não é um completo estranho no mundo da dublagem com a Pixar depois de ter dublado um dos coadjuvantes de “Operação Big Hero” (2014).
Desde então, o apresentador (e ator também, já que um de seus primeiros trabalhos foi na primeira temporada da série “Sandy & Junior”, em 1999) de 42 anos manteve contato com o estúdio em busca desse desejo primordial.
“Alguns personagens muito legais bateram na trave. Eu não consegui fazer por conta de agenda ou por estar fora. A minha vida é uma loucura, graças a Deus. E também foi ótimo terem batido na trave, porque olha quem chegou. Chegou a hora do mais legal de todos.”
Cena de ‘Lightyear’
Divulgação
Não foi uma substituição, mas existiu uma troca
Se o filme e o estúdio deixam claro que não houve exatamente uma substituição de dubladores, afinal não se tratam dos mesmos personagens e em nenhum lugar do mundo a voz do boneco seria a mesma do patrulheiro espacial, isso não quer dizer exatamente que não existiu uma troca.
Quem assistiu aos primeiros trailers dublados, lançados antes do anúncio da entrada Mion no projeto em abril, ouviu uma voz diferente saindo da boca do herói.
Nessas prévias, o responsável por interpretar o protagonista em português foi Duda Espinoza, dublador de Chris Evans (que dá vida a Buzz em “Lightyear” nos Estados Unidos) como o Capitão América no Brasil.
“A gente recebeu a primeira versão do filme e do trailer e etc., se não me engano em setembro de 2021. Eu estou trabalhando nele há muito tempo”, conta o diretor de dublagem nacional da produção, Thiago Longo.
Depois de reuniões, que envolveram a própria equipe da Pixar e o diretor do filme, Angus MacLane, a empresa decidiu investir em um nome mais famoso para interpretar o protagonista. O que não significa, no entanto, que Mion conseguiu o papel automaticamente.
“A gente já sabia que não seria o Briggs. Nesse primeiro momento, quando a gente viu o filme, sabíamos que era o Chris Evans e a escolha óbvia seria que o Duda fizesse. E aí começam as conversas e etc. Coisas que também fogem ao nosso controle. Da direção, do estúdio. É uma coisa do cliente. E no caso a gente fez testes. O Mion pegou o teste, porque foi super bem.”