Justiça homologa plano de recuperação judicial da Livraria Cultura


Plano aprovado pelos credores prevê desconto de até 70% na dívida, com prazo de até 12 anos para pagamento e carência de até 2 anos. Livraria Cultura do Centro do Rio fechou as portas
Carlos Brito/G1
O juiz Marcelo Barbosa Sacramone, da 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo, homologou nesta terça-feira (16) o plano de recuperação judicial aprovado pelos credores da Livraria Cultura.
“Os pagamentos deverão ser efetuados diretamente aos credores, que deverão informar seus dados bancários diretamente às recuperandas, ficando vedado, desde já, quaisquer depósitos nos autos”, destacou o juiz na decisão.
A Livraria Cultura pediu recuperação judicial em 25 de outubro do ano passado para reestruturar uma dívida de mais de R$ 285 milhões – a maior parte com fornecedores e bancos. O plano aprovado pela assembleia de credores na última sexta-feira (12) prevê desconto de até 70% na dívida, com prazo de até 12 anos para pagamento e carência de até 2 anos.
Os credores foram divididos em grupos de acordo com o valor a receber. Para os maiores credores, o desconto no valor da dívida será menor.
Para os chamados financeiros estratégicos 1, o desconto será de 30%, com carência de um ano e pagamento em cinco anos após a carência, sendo 20% do principal por ano e pagamentos trimestrais.
Já os credores que continuaram fornecendo para o grupo, mesmo após o anúncio da recuperação judicial, e suspenderam ações de cobrança e execuções, não terão nenhum desconto em sua dívida. Os pagamento serão feitos em seis anos após uma carência de 3 anos, sendo 10% nos anos 4 e 5; 15% no 6º ano; 20% nos anos 7 e 8; e 25% no 9º ano.
A Livraria Cultura mantém atualmente 15 lojas físicas abertas.