Juliana Perdigão assume o alter ego Juper para cantar o amor entre mulheres


Quarto álbum da artista, ‘Lambuzando o selo’ é antologia sobre músicas que versam implícita ou explicitamente sobre a homossexualidade feminina. ♪ Cantora e compositora mineira, residente em São Paulo (SP), Juliana Perdigão assume o alter ego Juper para dar voz ao amor entre mulheres no quarto álbum da carreira, Lambuzando o selo. Trata-se de antologia de músicas que versam implícita ou explicitamente sobre a homossexualidade feminina.
Idealizado pelo DJ Zé Pedro com a artista, o álbum Lambuzando o selo reapresenta músicas como Bandeira (Sandra de Sá e Fafy Siqueira, 1980) e Girl (Tuca e Prioli, 1974). Também com músicas da lavra assumida de cantoras e compositoras como a pioneira Linda Rodrigues (1919 – 1997) e a ativista Vange Leonel (1963 – 2014), o repertório do disco foi selecionado entre mais de 200 composições relacionadas em pesquisa encomendada por Zé Pedro ao jornalista Rodrigo Faour.
O repertório do álbum Lambuzando o selo abarca longo período que vai da década de 1950 aos anos 2010, década que projetou a contemporânea GA31, cantora e compositora que propaga repertório explicitamente lésbico.
Samba apresentado por Leci Brandão há 40 anos, como faixa-título de álbum editado em 1980, Essa tal criatura é a música escolhida para ser o primeiro single do álbum Lambuzando o selo, sucessor dos discos Folhuda (2019), Ó (2016) e Álbum desconhecido (2011) na expressiva obra fonográfica de Juliana Perdigão.
O single Essa tal criatura chega ao mercado fonográfico em 20 de março, pela gravadora Joia Moderna, com capa que expõe Juper em foto de Murilo Alvesso.