Julho de 2021 foi o mais quente já registrado na história, diz agência americana


Agência Americana Oceânica e Atmosférica (NOAA) diz que o mundo teve, no mês passado, as maiores temperaturas desde o início das medições, que começaram no fim do século XIX. Homem se refresca em totem de vapor de água em Vancouver, no Canadá
Jennifer Gauthier/Reuters
O mês de julho de 2021 foi o mais quente já registrado na história, informou nesta sexta-feira (13) a Agência Americana Oceânica e Atmosférica (NOAA).
O recorde é para todo o mundo e leva em consideração todas as medições feitas pela entidade, que começou a registrar a temperatura global em 1880.
O gerente da NOAA, Rick Spinrad, disse em um comunicado que esse novo recorde avança em direção a um “caminho perturbador” por conta das mudanças climáticas.
Mudanças recentes no clima causadas pelo homem não têm precedentes, aponta relatório da ONU
Mudanças do clima: as previsões do IPCC para a América do Sul
Limitar aquecimento a 1,5ºC pode ser impossível
Com os dados do mês passado, a agência já acredita que 2021 estará na lista dos dez anos mais quentes desde o estabelecimento de registros meteorológicos.
O que diz a NOAA?
Julho mais quente em 142 anos: a mês registrou 0,93ºC a mais que a média de todo o século XX. Além disso, a temperatura do mês ficou 0,01ºC superior ao recorde anterior – estabelecido em julho de 2016 (que se repetiu em 2019 e 2020).
O hemisfério norte: houve um aumento “sem precedentes” de 1,54ºC na temperatura em relação a média para o mesmo mês nas áreas continentais do hemisfério norte, ultrapassando o recorde anterior registrado e 2012.
Recordes regionais: A Ásia teve seu julho mais quente desde 2010, a Europa ficou com o segundo mais quente – atrás apenas do verão de 2018 – e as Américas, África e Oceania também tiveram o este mês entre os dez mais quentes da história.
Reportagem em atualização.