João Bosco mostra respeito por Aldir Blanc ao adiar lançamento de disco


Reprogramado para maio, álbum ‘Abricó-de-macaco’ traz no repertório músicas da fundamental parceria dos compositores. ♪ ANÁLISE – Pelo cronograma inicial de João Bosco, os seguidores do artista já poderiam estar ouvindo o álbum Abricó-de-macaco a partir do primeiro minuto desta sexta-feira, 17 de abril.
Só que o público vai precisar esperar até maio para conferir este disco em que Bosco apresenta duas músicas inéditas – a composição-título Abricó-de-macaco e Horda, ambas feitas por João em parceria com o filho letrista Francisco Bosco – entre regravações de títulos do cancioneiro autoral do artista.
É que, na noite de terça-feira, 14 de abril, veio a público a informação de que Aldir Blanc – parceiro letrista fundamental na construção da obra de Bosco no período que foi de 1972 a 1984 – enfrentava graves problemas de saúde e lutava por vaga na UTI em hospital público da cidade do Rio de Janeiro (RJ) em decorrência do agravamento de quadro provocado por infecção urinária e pneumonia, além de suspeita de infecção pelo covid-19 (Blanc segue internado em estado grave, mas estável).
Tomada por Bosco em conjunto com as gravadoras MP,B Discos e Som Livre na tarde de quarta-feira, 15 de abril, a decisão de adiar o lançamento do álbum Abricó-de-macaco para maio – mês em que estão previstas as edições do CD e do DVD com o registro audiovisual da gravação feita (em estúdio) em outubro de 2019 – mostra o respeito de Bosco por Blanc, com quem o artista mineiro tinha retomado o contato nos últimos anos.
A retomada do contato aconteceu após longo período de afastamento que resultou na desativação da parceria na segunda metade dos anos 1980. Fundamental na história da MPB, a parceria de Bosco com Blanc somente seria reativada duas décadas depois com a criação da música Toma lá, dá cá, tema de abertura da série homônima estreada pela TV Globo em 2007.
Mas cabe lembrar que, anos antes, Blanc aceitou o convite de Almir Chediak (1950 – 2003) para cantar com Bosco uma das muitas obras-primas da parceria, O bêbado e a equilibrista (1979), no disco Songbook João Bosco (2003), marco público da reaproximação.
Mesmo que os parceiros ainda estivessem afastados, é impossível falar de um disco revisionista de João Bosco sem mencionar Aldir Blanc, até porque o repertório do álbum Abricó-de-macaco inclui regravações de músicas assinadas pelos parceiros, caso do samba Profissionalismo é isso aí (1980), transformado em blues na releitura de 2020.
Até mesmo por essa impossibilidade, João Bosco entendeu que inexistia clima para lançar o disco no momento em que Aldir Blanc luta pela vida.