Inflação na zona do euro desacelera em março e desemprego fica estável


Índice de inflação desacelerou a 1,4% em março, ante 1,5% no mês anterior, ampliando a pressão sobre o Banco Central Europeu (BCE). Nova nota de 50 euros
Associated Press
A inflação da zona do euro desacelerou inesperadamente em março, ampliando a pressão sobre o Banco Central Europeu (BCE) no momento em que enfrenta uma desaceleração econômica que ameaça reverter anos de estímulo.
A inflação nos 19 países que usam o euro desacelerou a 1,4% em março, ante 1,5% no mês anterior, abaixo das expectativas do mercado de que repetisse a taxa e bem abaixo da meta do BCE de quase 2%.
Em um sinal mais preocupante, o núcleo da inflação que exclui os preços voláteis de energia e alimentos, desacelerou a 1%, leitura mais fraca desde abril de 2018.
Embora os salários estejam aumentando e o emprego esteja em uma máxima recorde, os preços ao consumidor vêm decepcionando e a inflação permanece fraca, desconcertando as autoridades e colocando em dúvida a capacidade do banco central de controlar os preços.
Separadamente, dados da Eurostat mostraram que a taxa de desemprego permaneceu em 7,6%em fevereiro, mas o número de pessoas sem emprego caiu a 12,730 milhões, de 12,807 milhões em janeiro.