Inep anula questão da reaplicação do Enem 2020


Candidatos do AM e de duas cidades de RO fizeram a reaplicação porque as provas regulares foram suspensas devido à pandemia. Quem teve Covid ou problemas de logística, como salas lotadas, também teve direito a um novo exame. Estudantes do Amazonas realizaram Enem em fevereiro; provas de janeiro foram suspensas por causa da pandemia.
Eliana Nascimento/G1 AM
A prova de reaplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 teve uma questão anulada, de acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Estatísticas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pela prova. Os gabaritos foram divulgados nesta segunda-feira (1º) na página do Inep.
Para acessar as respostas corretas das questões e o caderno de provas, é preciso que o candidato entre neste link, selecione 2020 e procure pela cor da prova da reaplicação.
O exame foi feito na terça (23) e quarta-feira (24) da semana passada, mesma data do Enem para pessoas privadas de liberdade, o Enem PPL.
Candidatos que tiveram Covid na data regular das versões impressa e digital, ou problemas logísticos, como as salas lotadas, puderam refazer o exame. As provas também foram aplicadas no AM e em duas cidades de RO, que tiveram as provas suspensas por causa da pandemia.
Questão anulada
A questão anulada falava sobre o processo de acumulação de energia (veja imagem abaixo). O número da questão varia conforme a cor da prova:
Caderno 5 – Amarelo – Reaplicação/PPL – Questão 135
Caderno 6 – Cinza – Reaplicação/PPL – Questão 107
Caderno 7 – Azul – Reaplicação/PPL Questão 96
Caderno 8 – Rosa – Reaplicação/PPL – Questão 133
Caderno 8 – Rosa (Ampliada) – Reaplicação/PPL – Questão 133
Caderno 8 – Rosa (Superampliada) – Reaplicação/PPL – Questão 133
Caderno 11 – Laranja (braile e ledor) – Reaplicação/PPL – Questão 133
Questão anulada pelo Inep na reaplicação do Enem 2020 falava sobre processo de acumulação de energia. Imagem mostra reprodução da questão na prova amarela.
Reprodução/Inep
A edição 2020 do Enem teve três aplicações:
em 17 e 24 de janeiro foram feitas as provas impressas
em 31 de janeiro e 7 de fevereiro foram feitas as provas digitais
em 23 e 24 de fevereiro foram feitas as reaplicações e o Enem PPL
Em todas as versões da prova teve questão anulada. Na impressa, o Inep anulou duas questões de ciências da natureza. No Enem digital, o Inep anulou uma questão de matemática porque ela não era inédita – já havia caído na prova em 2009. Agora, na reaplicação, mais uma foi cancelada.
Abstenção
A abstenção das provas feitas em 23 e 24 de fevereiro ficou acima de 70%. Isso quer dizer que, a cada dez candidatos esperados para fazer a prova, sete faltaram.
Nesta aplicação, 276 mil participantes estavam inscritos. Entre eles:
41.864 privados de liberdade, que prestam o Enem PPL dentro de unidades prisionais e socioeducativas
163.444 inscritos no estado do Amazonas; 969 na cidade de Espigão D’Oeste (RO) e 2.863 em Rolim de Moura (RO), onde a prova foi suspensa por causa da pandemia;
66.860 candidatos que estavam com doenças infectocontagiosas (como Covid-19) no dia da primeira aplicação, que enfrentaram problemas logísticos (falta de luz no local de prova, por exemplo) ou que foram barrados em salas lotadas.
O Enem 2020 foi uma edição marcada pelo adiamento do exame (de novembro para janeiro) por causa da pandemia; o impacto no preparo de estudantes com as aulas remotas após o fechamento das escolas; brigas judiciais para impedir o exame na atual situação sanitária do país, até chegar à realização das provas em um momento de nova elevação de casos e mortes por Covid.
5,5 milhões eram esperados para a prova impressa. Mais da metade não foi. O primeiro dia teve 51,5% de candidatos faltosos; o segundo dia foi de 55,3%.
96 mil estavam confirmados para o Enem digital. O primeiro dia de prova teve 68% de abstenção, e o segundo dia, 71,3%. Foi a primeira vez que o Inep aplicou uma versão digital da prova.
O Enem é considerado o maior vestibular do país, e a nota serve para disputar vagas em universidades e ter acesso a programas de bolsas (Prouni) ou financiamento de mensalidade (Fies).
Na última sexta-feira (26), o então presidente do Inep, Alexandre Lopes, foi exonerado. Ele estava na presidência da autarquia desde maio de 2019. Danilo Dupas Ribeiro foi nomeado para a função. Até então, ele era o secretário de Regulação e Supervisão do Ensino Superior no Ministério da Educação (MEC).
VÍDEO: saiba tudo sobre o Enem 2020