Iludidos por propaganda enganosa, pais dão substância parecida com água sanitária a filhos com autismo

Solução chamada MMS, divulgada e vendida nas redes sociais, não é medicamento e pode causar intoxicação e danos no aparelho digestivo. Fórmula é vendida com a falsa promessa da cura do autismo
Pais de crianças com autismo estão sendo enganados pela promessa de efeitos milagrosos de uma substância parecida com a água sanitária, chamada “MMS”. A ciência ainda não encontrou a cura para o autismo e essa substância química não tem qualquer valor medicinal, segundo especialistas. As informações são do Fantástico.
O que é o MMS?
O MMS “(mineral miracle solution”, em inglês) foi criado pelo americano Jim Humble, há mais de vinte anos. Humble é ex-membro da Cientologia – um grupo religioso dos Estados Unidos. Ele batizou a mistura de “solução mineral milagrosa” e disse que poderia curar muitas doenças, como câncer, malária, diabetes e autismo.
O MMS contém clorito de sódio, utilizado para branquear produtos e descolorir papel, com características parecidas à da água sanitária. O produto também é composto por ácido clorídrico, usado na indústria química na obtenção de corantes e no polimento de metais.
“A mistura dessas duas substâncias forma um outro composto, o dióxido de cloro, usado como descolorante e desinfetante”, explica Mauricio Yonamine, professor de toxicologia na faculdade de ciências farmacêuticas da Universidade de São Paulo (USP).
Se ingerir a solução, “a pessoa pode ter uma irritação local ou até no esôfago. É um material tóxico. Nenhuma dessas substâncias é um medicamento em lugar nenhum do mundo”, diz.
Dependendo da dose ingerida, o MMS também pode prejudicar a absorção de ferro e outros metais importantes para a saúde humana.
Substância proibida
Desde 2010, o Departamento de Saúde dos Estados Unidos adverte os consumidores sobre os danos graves que a solução pode causar e alerta que, no caso de tratamento para autismo, o produto não se mostrou seguro ou eficaz. Mas mesmo assim, sua utilização foi propagada em diversos países.
No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a comercialização, a distribuição e o uso do MMS em território nacional para este fim.
Mas a proibição tem sido ignorada e a substância é amplamente divulgada e vendida em fóruns pela internet.
De acordo com Ronaldo Gomes, gerente geral de fiscalização sanitária da Anvisa, “no ano passado, a Anvisa já tomou o cuidado de suspender todos os sites que comercializavam esse produto naquele momento e publicar uma resolução proibindo a comercialização, a distribuição e o uso dessa substância em território nacional para este fim”.
A Anvisa diz, ainda, que vai cancelar licenças de farmácias que estão ignorando a proibição e continua fiscalizando anúncios na internet. A agência afirma que já bloqueou mais de 200 anúncios sobre esse produto.
Autismo não tem cura, mas tem tratamento
Segundo o coordenador da Câmara Técnica de Pediatria e conselheiro do Conselho Federal de Medicina (CFM), Sidnei Ferreira, não existem evidências científicas que comprovem a eficácia dessa substância para qualquer tratamento médico.
“Por isso, ela não é liberada no mundo, em nenhum país. Quem prescrever está incorrendo num crime”, diz Ferreira.
Pais que têm dificuldades de fazer a criança beber o MMS por causa do gosto forte estão aplicando a solução, inclusive, por via retal. Uma mãe chegou a postar numa rede social que, depois de fazer isso, o filho estava “eliminando vermes” nas fezes.
“Lamento informar essa pessoa, mas isso são pedaços da mucosa intestinal”, explica Schwartzman. “É um efeito danoso da substância no intestino dessas crianças. É mais uma evidência de que não deve usar isso, de jeito nenhum. Essa relação que se faz entre parasitose intestinal e autismo não existe”, esclarece o neuropediatra.
“O autismo é uma condição que não tem cura”, lembra Schwartzman. “Existem razões para entender por que as famílias fazem isso, mas é necessário ter o mínimo de bom senso, pois você acaba utilizando técnicas que não só não melhoram como pode agravar [o transtorno]”, afirma.
Ele acrescenta que o autismo tem, sim, tratamento. “O que tem eficácia comprovada é terapia comportamental. Terapias com psicólogos comportamentais e fonoterapia são fundamentais”, diz.