Governo prorroga presença das Forças Armadas na Amazônia por mais 45 dias, diz Mourão

Operação estava prevista para se encerrar no próximo dia 31. Nesta terça, vice-presidente comandou reunião do Conselho da Amazônia. O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, informou nesta terça-feira (24) que o governo vai prorrogar a presença de tropas das Forças Armadas na Amazônia por mais 45 dias.
A Operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) em vigor estava prevista para se encerrar no próximo dia 31.
Segundo Mourão, houve sobre de recursos da GLO e, por isso, será possível dar continuidade à operação.
A informação foi dada a jornalistas após a 6ª reunião do Conselho Nacional da Amazônia Legal, órgão presidido pelo vice-presidente.
“Conversei com o ministro da Defesa hoje [terça, 24]. O recurso inicialmente solicitado — uma vez que demorou a chegar — sobrou recurso. Então, nós temos condições de estender aí por mais de 45 dias, que é o período crítico que nós vamos enfrentar agora na questão das queimadas, principalmente, na Amazônia”, apontou.
Desmatamento da Amazônia nos últimos 12 meses atinge pior nível da década, diz Imazon
Desmatamento
O anúncio da prorrogação da GLO foi feito logo após o vice-presidente informar sobre uma redução de 5% do desmatamento em relação ao registrado em 2020 pelo Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).
A área desmatada na Amazônia, entre agosto de 2019 e julho de 2020, foi de 10.851 km². A expectativa do próprio Mourão, no início da operação, era reduzir essa área em 10%.
Mourão afirmou ainda que aguarda a contratação de 740 funcionários para o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e para o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) por meio de concurso.
Apesar disso, o vice-presidente reconheceu que, atualmente, “a solução é o emprego das Forças Armadas, elas continuam no terreno”.
Participaram da reunião do conselho, além do vice-presidente, os ministros da Casa Civil, Ciro Nogueira; das Relações Exteriores, Carlos França; e da Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos, Flávio Rocha. Os demais ministérios, inclusive o do Meio Ambiente, enviaram representantes.
Viagem com embaixadores
Durante a entrevista, Mourão apresentou detalhes da programação da segunda viagem com embaixadores à Amazônia.
Desta vez, o governo levará o grupo para a Amazônia Oriental, onde, de acordo com o vice-presidente, “se encontram realmente os maiores problemas”.
“Então, o que nós vamos pretender mostrar? Mostrar um projeto de mineração correto e mostrar uma área que não está correta para que eles vejam. E mostrar os trabalhos de pesquisa e inovação que são feitos com base nos institutos que temos em Belém (PA), assim como também eles vão visitar áreas de madeireiras ali na região de Santarém. E vão ver madeireira que está ok e madeireira que também não está ok.”
A expedição está prevista para os dias 8, 9, e 10 de setembro. Em novembro do ano passado, Mourão viajou com representantes de países à Amazônia Ocidental.