Gilberto Gil lança álbum ao vivo em que faz festa junina com fé no repertório de Luiz Gonzaga


Disco ‘São João em Araras’ apresenta gravação inédita de show estreado pelo cantor em 2010. ♪ Sem alarde e somente com um ou outro aviso prévio nas redes sociais, Gilberto Gil lança álbum, São João em Araras – Ao vivo, nesta sexta-feira, 28 de maio, em edição da Gegê Produções Artísticas.
Como o título já indica, trata-se de disco direcionado para o circuito das festas juninas que, antes da pandemia, agitavam o nordeste do Brasil e, por enquanto, estão sendo promovidas de forma virtual.
A gravação do álbum São João em Araras é inédita, mas tem origem em disco e show lançados por Gil há 11 anos.
Em junho de 2010, o cantor baiano apresentou Fé na festa, álbum feito em estúdio em que deu voz a então inédito repertório autoral de sotaque nordestino, povoado por xaxados, xotes e baiões voltados para o circuito de São João.
O disco motivou show captado em setembro daquele ano, sob direção do cineasta Andrucha Waddington, em apresentação do cantor no Retiro dos Artistas, na cidade do Rio de Janeiro (RJ). O registro audiovisual do show deu origem ao álbum e DVD Fé na festa ao vivo (2010), lançado em dezembro.
Da mesma turnê, Gil extraiu a gravação ao vivo lançada neste ano de 2021 e feita em apresentação na cidade fluminense de Araras (RJ), com a participação da filha do artista, Preta Gil.
Preta entra em cena para cantar com o pai Eu só quero um xodó (Anastácia e Dominguinhos), xote lançado em 1973, em single, na voz do próprio Gil.
Em 16 músicas alinhadas ao longo de 18 faixas do álbum São João em Araras – Ao vivo (as conversas de Gil com Preta e com o sanfoneiro Mestrinho ocupam dois fonogramas do disco), o cantor segue com diversas alterações o roteiro básico do show perpetuado no DVD Fé na festa ao vivo.
Do repertório do álbum original de estúdio, permaneceram somente o xaxado Assim, sim (Gilberto Gil, 2010), a música-título Fé na festa (Gilberto Gil, 2010) e a recriação do baião Dança da moda (Luiz Gonzaga e Zé Dantas, 1950).
Em contrapartida, Gil reverbera novamente sucessos do repertório seminal do cantor, compositor e sanfoneiro pernambucano Luiz Gonzaga (1912 – 1989) – como o xaxado Óia eu aqui de novo (Antônio Barros, 1967), o baião Respeita Januário (Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, 1950), O xote das meninas (Luiz Gonzaga e Zé Dantas), o baião Qui nem jiló (Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, 1949), a toada Asa branca (Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, 1947) e o tema junino Olha pro céu (Luiz Gonzaga e José Fernandes, 1951) – além do próprio hit Esperando na janela (Targino Gondim, Manuca Almeida e Raimundinho do Acordeom, 2000).
Enfim, quando se trata de fazer festa junina, Gilberto Gil põe fé sobretudo no cancioneiro de Luiz Gonzaga, eterno rei dos baiões, xotes e xaxados.