Gilberto Gil é o cantor que popularizou no Brasil o reggae de Bob Marley, artista morto há 40 anos


♪ MEMÓRIA – “Bob Marley era um dos grandes intérpretes dessa consciência de exclusão, da desigualdade. Foi o último artista a quem eu dediquei uma atenção profunda, específica e permanente. Hoje em dia ainda é das coisas que eu mais gosto de escutar”, escreveu Gilberto Gil, nas redes sociais, em 11 de maio de 2020, há exatamente um ano.
Na ocasião, fazia 39 anos que Bob Marley (6 de fevereiro de 1945 – 11 de maio de 1981) tinha saído de cena, vítima de câncer.
Hoje, 11 de maio de 2021, faz 40 anos que o universo pop ficou sem a presença física do cantor, compositor e guitarrista jamaicano, mas Marley – entronizado eternamente com o rei do reggae – permanece em cena pela força da música que criou em 20 anos de trajetória profissional. Essa força é também política e espiritual, traços marcantes na obra de Marley e também na música de Gil.
No momento em que o Brasil inventaria o legado do artista jamaicano por ocasião dos 40 anos da morte de Marley, cabe lembrar que Gilberto Gil foi a voz que realmente popularizou o reggae de Bob Marley no país.
♪ Leia também: 40 anos sem Bob Marley – Artistas do reggae citam músicas favoritas que marcaram o legado do cantor.
Gênero musical originado do rocksteady e do ska, ritmos da década de 1950 que o antecederam na evolução da música jamaicana, o reggae começou a se espraiar além da Jamaica no início dos anos 1970.
No Brasil, atribui-se a Caetano Veloso a primazia de ter embutido citação de reggae na letra da música Nine out of ten, composta em 1971 e gravada para o álbum Transa (1972), disco lançado dois anos antes do guitarrista inglês Eric Clapton ter contribuído para a popularização mundial do reggae com a gravação, em 1974, de I shot the sheriff (Bob Marley, 1973), reggae lançado por Marley no ano anterior em disco assinado com o grupo The Wailers.
Atento aos sinais do reggae desde que amargava exílio em Londres, ao lado de Caetano, Gil flertou com o reggae no álbum Refavela (1977) na faixa Sandra (Gilberto Gil, 1977). Contudo, nada se comparou ao êxito nacional de Não chores mais, música lançada por Gil em 1979 em single que alcançou o topo das paradas brasileiras naquele ano.
Não chores mais é versão em português, escrita por Gil, do reggae No woman, no cry, de autoria creditada somente ao compositor jamaicano Vincent Ford (1940 – 2008), embora seja senso quase comum de que Marley participou da criação da letra da música lançada em 1974 pelo cantor no álbum Natty dread, gravado com o grupo The Wailers, e popularizada em versão ao vivo de disco de 1975.
Questões autorais à parte, o fato é que o reggae pela primeira vez caiu na boca do povo brasileiro pela voz de Gil. Não chores mais foi massivo hit nacional. E Gil nunca mais se dissociou do reggae na luminosa trajetória musical.
A influência de Bob Marley na obra do compositor baiano é tamanha que, há 19 anos, Gil lançou álbum, Kaya n’gan daya (2002), inteiramente dedicado ao cancioneiro do colega jamaicano.
Neste disco, Gil deu voz a reggaes de Marley no original em inglês – com destaque para Three little birds (Bob Marley, 1977) – e verteu para o português outras músicas do repertório do artista como Lively up yourself (Bob Marley, 1974), música que virou Eleve-se alto ao céu. Lively up yourself apareceu no mesmo álbum Natty dread em que Marley apresentou No woman, no cry ao universo pop.
Aliás, Gil regravou Não chores mais no álbum Kaya n’gan daya, com arranjo evocativo da gravação original de 1979 e com a adesão do trio Paralamas do Sucesso. Há o toque desse grupo carioca, cultor do reggae no repertório autoral, quando Gil canta a letra original em inglês do reggae após reviver a letra da versão em português que propagou o legado de Marley no Brasil de 1979 na voz do artista baiano.