Frio congela trecho do rio Tâmisa no sudoeste de Londres


Temperaturas chegaram a -2ºC na capital inglesa; frente fria avança do Mar Báltico para o Reino Unido que pode registrar até -15ºC em diversos pontos do norte do país. Trecho do rio Tâmisa no distrito de Teddington, sudoeste de Londres, congelou em 11 de fevereiro de 2021
Reprodução/Twitter/@jamesafisher
Uma frente fria que avança do Mar Báltico, na Escandinávia, para o Reino Unido derrubou as temperaturas do país, e chegou até mesmo a congelar parte do rio Tâmisa no distrito de Teddington, sudoeste de Londres, na quinta-feira (11).
Mas essa não foi a primeira vez que o Tâmisa congelou por conta das baixas temperaturas.
Há quase 60 anos, uma grossa camada de gelo se formou no rio que também cruza a área central de Londres durante o fenômeno que ficou conhecido como o “Big Freeze” (grande congelamento) da Grã Bretanha com temperaturas na média dos -20ºC.
Mapa mostra trecho do rio Tâmisa, no sudoeste de Londres, congelado pelo frio
G1 Mundo
Nesta sexta (12), os termômetros da capital inglesa registravam marcações inferiores aos -2ºC, e mesmo antes de terminar a primeira quinzena do mês, este fevereiro já vem sendo considerado o mais frio em quase três décadas.
Em diversos pontos ao norte do país, há a previsão de uma madrugada fria entre sexta-feira e sábado, com temperaturas inferiores aos -15ºC.
Rio Tâmisa, em trecho que passa pelo distrito de Teddington, sudoeste de Londres, congelado em 11 de fevereiro de 2021
Reprodução/Twitter/@nickwillmore
Além disso, com aproximação da tempestade Dacy, que deixou a Holanda debaixo da neve nesta semana, as autoridades alertam para a possibilidade de fortes nevascas e ventos de até 80km/h.
Partes da Escócia, e toda a Irlanda do Norte receberam alerta para o acúmulo de neve e gelo, o que pode provocar o fechamento de estradas e cancelamentos de viagens de trem e ônibus, segundo o Met Office, serviço metereológico do Reino Unido.
Imagem de satélite mostra quase todo o norte da Grã Bretanha coberto por neve em 11 de fevereiro de 2021
Reprodução/Twitter/Met Office
VÍDEOS mais vistos do G1