Fim do trio As Baías sinaliza que (per)seguir a fórmula do sucesso pode ser mortal…


♪ ANÁLISE – Anunciado em comunicado postado em redes sociais na tarde de terça-feira, 28 de setembro, o fim do trio As Baías surpreendeu o universo pop brasileiro. Mas talvez não seja tão surpreendente assim…
No elegante comunicado, o trio atribui o fim da banda às “proposições artísticas diferentes” que movem atualmente Assucena Assucena (voz), Rafael Acerbi (voz e guitarra) e Raquel Virgínia (voz).
Talvez seja somente isso mesmo. Ainda assim, a dissolução do trio faz pensar que, às vezes, (per)seguir a fórmula do sucesso pode ser mortal…
E é curioso que o fim d’As Baías tenha sido anunciado somente um ano após o trio encurtar o nome – deixando para trás o nome original As Bahias e a Cozinha Mineira, com o qual o grupo lançou dois álbuns relevantes no universo pop indie nacional dos anos 2010, Mulher (2015) e Bixa (2017) – para passar a seguir, desde setembro de 2020, receita mercadológica planejada pela gravadora Universal Music.
Desde então, As Baías lançaram singles com colaborações como Luísa Sonza, Ivete Sangalo, Péricles, Linn da Quebrada, Cleo, MC Rebecca e Rincon Sapiência, entre outros nomes. Por seguirem fórmula de sucesso, tais conexões por vezes soaram artificiais em singles bem produzidos, mas sem emoções reais.
Talvez por isso, no fundo, o fim d’As Baías não seja assim tão surpreendente quanto pode ter soado em um primeiro momento.
Sozinhos, Assucena Assucena (voz), Rafael Acerbi (voz e guitarra) e Raquel Virgínia (voz) provavelmente irão atrás de “proposições artísticas” que resgatem o sentimento genuíno do começo.
♪ Eis o comunicado em que o trio As Baías anunciou a dissolução da banda:
“As Baías desde seu primeiro momento foi uma banda que se propôs a ter um tempo para acabar. Originalmente faríamos o disco Mulher e Bixa e acabaríamos ali, mas a excitação do público e nosso fervor artístico nos levou a seguir em frente conjuntamente. Tivemos muitas conquistas nesses seis anos de trajetória. Cantamos de ponta a ponta no Brasil. E fomos muito bem recebidas em todos os lugares em que passamos. O nosso publico até aqui foi impecável com a nossa arte. Sempre muito carinhoso e receptivo as nossas invenções. Mas entendemos que, depois de seis anos, individualmente temos proposições artísticas diferentes. E viemos aqui comunicar ao nosso público o fim da nossa união como banda. Nosso mais terno agradecimento a todas as pessoas que contribuíram ao longo desses anos para que tentássemos dar o nosso melhor. Nem sempre foi possível, mas nós certamente aprendemos muito. E isso é a vida. Queremos pedir que acompanhem nossos próximos passos com o mesmo amor de sempre. Cada um segue agora um novo caminho. A obra d’As Baías estará para sempre disponível, pois obras de arte são eternas”.