‘Feelings’, maior sucesso brasileiro dos anos 70, tem história de plágio e autor recluso na Itália


Cantor paulista foi condenado por plágio em um tribunal em Nova York. Ele nega que tenha copiado música francesa. G1 conta as histórias dos maiores hits do Brasil no exterior. Capas de álbuns de ‘Feeling’, de Morris Albert
Divulgação
Maurício Alberto Kaisermann é o brasileiro que ficou mais tempo nas paradas internacionais. Morris Albert, nome artístico do cantor paulista, fincou a balada romântica “Feelings” no hot 100 da revista americana “Billboard”, há 45 anos.
Foram 32 semanas nesse ranking, o principal do mundo. Ela chegou ao sexto lugar nos Estados Unidos e ao quarto no Reino Unido. “Feelings” fez com que Morris Albert vendesse mais de 160 milhões de discos (entre singles, álbuns e coletâneas) em todo mundo.
Com tanta exposição, o arranjo bem easy listen, de som facinho e meio rádio Antena 1, caiu no ouvido de um cantor francês chamado Loulou Gasté.
Nesta semana, o G1 conta as histórias dos maiores hits do Brasil no exterior. E de seus compositores. Quais as músicas brasileiras que bombaram nas paradas da Europa e dos EUA?
Em 1987, Albert foi condenado por plágio em um tribunal em Nova York, nos Estados Unidos. Ele havia sido processado por Gasté, autor de “Pour Toi”, nesta versão cantada por Line Renaud, a então esposa dele.
Loulou Gasté se tornou oficialmente coautor de “Feelings”, depois que o tribunal americano definiu que mais de 80% da música foi escrito por ele e não por Morris Albert. Loulou também ganhou US$ 500 mil em um acordo judicial.
Como ‘Chora me liga’ foi parar em estádios argentinos
‘Tchetchê rere’ rendeu R$ 5 milhões e versão do Bob Esponja
O francês disse que ouviu “Feelings” em um café em Paris. Segundo ele, uma editora brasileira tinha os direitos dessa música e Morris Albert teria ouvido “Pour Toi” e escrito “Feelings” depois disso.
Morris nega que tenha copiado a música e diz que a semelhança é coincidência. Ele não gosta do assunto e até hoje divide os direitos autorais de “Feelings” com os herdeiros do Loulou, que morreu em 1995.
Morris Albert nos anos 70 e em foto recente
Divulgação
O G1 entrou em contato com a produtora do cantor e ele havia topado responder perguntas. Seria por meio de áudios de WhatsApp. Aos 68 anos e morando na Itália, ele disse estar ocupado por estar cuidando da mãe doente.
Após receber as perguntas, ele mudou de ideia. Albert disse que a entrevista tinha muitos assuntos que ele não queria mais falar. Um deles era o processo por plágio.
Mais de 300 sentimentos
Desde o lançamento da original, em 1975, já foram registradas mais de 300 versões, incluindo uma de Elvis Presley. A gravação do Rei do Rock não faz parte da discografia oficial do cantor.
Quem também cantou “Feelings” foram as damas do jazz Ella Fitzgerald e Nina Simone. A versão mais recente registrada em álbum veio no fim dos anos 90, com um cover punk rock do Offspring. Julio Iglesias, Caetano Veloso, Dionne Warwick e Gretchen também regravaram “Feelings”.
Depois de “Feelings”, Morris Albert conseguiu mais um hit, bem menor. “Sweet Loving Man” chegou na posição 93 da parada americana, em 1976.
Em 2004, ele lançou o disco “Moods”, fez uma turnê pelo Brasil e deu várias entrevistas por aqui, incluindo no programa “Altas Horas”. Foi a última vez que ele falou com a imprensa.