Falar dormindo é sonambulismo? Veja mitos e verdades

O que é o sonambulismo? O sonambulismo é um transtorno de comportamento durante o sono. De acordo com o otorrinolaringologista George Pinheiro, especialista em medicina do sono da ABMS (Associação Brasileira de Medicina do Sono), esse transtorno ocorre durante o sono profundo, na chamada fase N3 do sono-não REM, período em que os sonhos não ocorrem, e caracterizada por um despertar incompleto. O médico afirma que o sonambulismo não possui associação definida com doenças neurológicas ou psiquiátricas

Quais são as causas do sonambulismo? O médico afirma que maus hábitos do sono podem causar o sonambulismo, como não dormir a quantidade de horas necessárias; não ter uma rotina do sono (dormir e despertar em horários regrados); a exposição a aparelhos eletrônicos durante a noite que, por meio da luz azul emitida por esses aparatos, inibe a secreção de melatonina, hormônio do sono; consumo de bebidas estimulantes, como o café. Fatores externos também podem ocasionar o sonambulismo, como a luz e barulhos

O que o sonâmbulo faz? Pinheiro afirma que o sonâmbulo faz atividades costumeiras de sua rotina, desde caminhar, até trocar de roupa. A pessoa pode estar de olhos abertos e, quando acorda, não se lembra do que fez, e pode voltar a dormir normalmente. Em alguns casos, a pessoa pode se colocar em situações de perigo, como pegar objetos cortantes ou ficar próxima a escadas e parapeitos de janelas

Em quem o sonambulismo é frequente? Pinheiro afirma que o transtorno é frequente em crianças entre seis e 10 anos, acometendo 30% delas. Nessa faixa etária, o sonambulismo é comum pois, elas são submetidas a estímulos externos, como barulhos, e tem maior facilidade para ter esse despertar incompleto. Para a maioria delas, as crises de sonambulismo ficam restritas à infância, mas algumas podem continuar durante a adolescência

Sonambulismo pode ser diagnosticado? Sim. Quando o transtorno de comportamento no sono é frequente, ou seja, ocorre semanalmente, o caso deve ser levado ao médico para que possam ser controlados os fatores desencadeantes. Porém, em alguns casos, mesmo com esse controle, a pessoa pode continuar a apresentar o comportamento, necessitando de tratamento. É preciso que um médico avalie se trata-se de sonambulismo ou de outros transtornos, como crises epilépticas noturnas

Falar dormindo é sonambulismo? Não. O médico afirma que a fala durante o sono é classificada como sonilóquio, outro transtorno comportamental durante o sono que ocorre no sono não-REM. Nessas falas, a pessoa pode comentar situações diárias, frases ou resmungar, mas não há organização das ideias. O sonilóquio pode acontecer ou não junto com o sonambulismo

O sonâmbulo reproduz sonhos? Não. Pinheiro afirma que os distúrbios comportamentais do sono que imitam os sonhos ocorrem no sono REM, fase em que eles acontecem. Dessa maneira, a pessoa acaba por reproduzir aquilo que está sonhando. Por exemplo: se ela sonha que está lutando, ela pode começar a dar chutes e socos e até ferir quem está ao lado na cama. Esse transtorno teria ligação com doenças neurológicas

Por que não se deve acordar ou assustar um sonâmbulo? O médico afirma que, na verdade, isso é um mito. Não existem restrições em acordar a pessoa, mas, dependendo do local em que ela estiver, como a proximidade de escadas ou janelas, ela pode se assustar e ficar em situações de perigo. O ideal é que a pessoa seja conduzida de maneira delicada até a sua cama

É possível prevenir o sonambulismo? O médico afirma que, para prevenir o sonambulismo, é necessário criar uma rotina do sono, evitar exposição a telas até duas horas antes de dormir, usar bebidas estimulantes até as 16h e dormir a quantidade de tempo necessária para o corpo. Se as crises de sonambulismo forem frequentes, procurar um médico

*Estagiária do R7 sob supervisão de Deborah Giannini