Facebook anuncia que seu ‘metaverso’ terá casas virtuais


Para Mark Zuckerberg, cofundador da empresa, universo virtual será o sucessor da internet. Executivo quer que ambiente suporte plataformas de várias empresas. Facebook Horizon Home permitirá criar casas virtuais
Reprodução/Facebook
O Facebook anunciou nesta quinta-feira (28) mais detalhes sobre seu plano de criar o metaverso, uma espécie de universo em realidade virtual e aumentada. De acordo com a empresa, os usuários terão a opção de criar casas virtuais, onde poderão personalizar a mobília e convidar amigos para festas virtuais.
A novidade será incluída no Facebook Horizon, plataforma que simula ambientes virtuais, e ficará disponível em breve nos dispositivos de realidade virtual da Oculus, empresa do Facebook. Com o anúncio, o Horizon terá três frentes principais:
Horizon Home, em que usuários poderão criar casas virtuais;
Horizon Worlds, para encontros de usuários em shows virtuais, por exemplo;
Horizon Workrooms, voltado para reuniões de trabalho.
O cofundador do Facebook, Mark Zuckerberg, disse que a ideia do metaverso é criar uma sensação de proximidade entre as pessoas, mesmo que elas estejam em diferentes partes do mundo.
“Acreditamos que o metaverso será o sucessor da internet”, disse Mark Zuckerberg, cofundador da empresa.
Facebook investirá US$ 50 milhões para construir ‘metaverso’
Facebook quer substituir videochamadas por reuniões em realidade virtual
Facebook Horizon
Reprodução/Facebook
Segundo o executivo, o metaverso permitirá criar avatares. Em vez de uma imagem estática, cada pessoa no universo virtual terá representações em 3D, que poderão ser versões parecidas com a realidade ou figuras diferentes, como um monstro.
Os usuários poderão personalizar os personagens com diferentes roupas e outros acessórios virtuais. A ideia do Facebook é que o metaverso não seja uma plataforma própria, mas um ambiente em que seja possível acessar serviços de várias empresas.
Pensando nisso, Zuckerberg defendeu a importância da interoperabilidade, o que faria os elementos adquiridos por usuários, como roupas e objetos virtuais, ficarem disponíveis em várias plataformas.
VÍDEO: como é a realidade virtual do Facebook