Facebook admite ‘erro de execução’ em atraso para sinalizar vídeo falso

Presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg

Presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg
Reuters

O presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, disse na quarta-feira (27) que a rede social demorou muito para sinalizar como falso um vídeo alterado da presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, que mostra a representante democrata tendo dificuldades na fala em um discurso.

Zuckerberg, em uma conferência em Aspen, Colorado, disse que a demora da resposta foi “um erro de execução do nosso lado”.

O vídeo, um tipo de alteração realista conhecido como “deepfake”, foi desacelerado para fazer o discurso de Pelosi parecer arrastado e editado para fazer parecer que ela repetidamente tropeçou em suas palavras. Depois que o vídeo foi divulgado no mês passado, ele foi amplamente compartilhado no Facebook, no Twitter e no YouTube.

Leia também: Conteúdo violento no Facebook aumenta quase 10 vezes em um ano

O YouTube retirou o vídeo, citando violações da política, mas o Facebook não removeu o clipe, apenas limitando sua distribuição e dizendo aos usuários que tentam compartilhá-lo que ele poderia ser enganoso.

“Demorou um pouco para o nosso sistema sinalizar o vídeo e para os nossos verificadores o avaliarem como falso… e durante esse tempo ele obteve mais distribuição do que nossas políticas deveriam ter permitido”, disse Zuckerberg.

Zuckerberg disse que o Facebook está considerando desenvolver uma política específica sobre deepfakes.

A desinformação por meio de vídeos alterados é uma preocupação crescente no período que antecede a eleição presidencial dos Estados Unidos em 2020, especialmente porque a inteligência artificial está sendo usada para produzir clipes que parecem genuínos e realistas para mostrar pessoas dizendo o que não realmente falaram.