EUA declaram escassez histórica de água no sudoeste e decretam cortes e racionamento


A escassez irá reduzir a distribuição de água para o Arizona, Nevada e o México para o ano que começa em outubro, informou o governo norte-americano. Situação de escassez no Lago Mead, nos EUA
John Locher/AP Photo
Autoridades dos Estados Unidos emitiram nesta segunda-feira (16) uma declaração oficial de escassez para o imenso reservatório do Lago Mead, no oeste do país, pela primeira vez, provocando cortes de água para a região sudoeste, atingida pela seca.
A escassez irá reduzir a distribuição de água para o Arizona, Nevada e o México para o ano que começa em outubro, informou o governo norte-americano em nota.
Julho de 2021 foi o mais quente já registrado na história, diz agência americana
Mudanças recentes no clima causadas pelo homem não têm precedentes, aponta relatório da ONU
O Arizona perderá 18% de seu fornecimento anual, enquanto Nevada terá um corte de 7%. Os repasses para o México serão reduzidos em 5%.
O Lago Mead, formado nos anos 1930 com o represamento do Rio Colorado na divisa entre Nevada e Arizona, é o maior reservatório dos Estados Unidos e é crucial para o fornecimento de água a 25 milhões de pessoas nas cidades de Los Angeles, San Diego, Phoenix, Tucson e Las Vegas.
A seca grave na Região Oeste dos Estados Unidos levou os lagos Mead e Powell, primeiro e segundo reservatórios do país, a mínimas históricas. O total de armazenamento de água no sistema do Rio Colorado está em 40% da capacidade, uma queda em relação aos 49% do ano passado, segundo o órgão federal.
Os repasses de água em um determinado ano são definidos por um estudo anual que antecipa os níveis de água dos reservatórios no inverno. Em janeiro, o Lago Mead deve estar a 324,9 metros, cerca de 3 metros abaixo do nível oficial que determina a escassez.
Mudanças climáticas provocadas pelo homem são irreversíveis e sem precedentes, diz relatório da ONU