Escultura branca maciça em Nova Jersey convida a ‘ouvir o silêncio da água’


Mulher com o dedo indicador nos lábios ‘encara’ Nova York e convida metrópole caótica a parar e escutar. ‘Estou falando do ruído da informação e das mensagens para nós’, afirma artista. Estátua ao longo do Rio Hudson, em Nova York, convida a metrópole caótica a parar e escutar.
Reuters/Eduardo Munoz
Uma estátua imponente de uma cabeça de mulher com o dedo indicador encostado nos lábios encara a parte baixa de Manhattan ao longo do Rio Hudson, em Nova York, convidando a metrópole caótica a parar e escutar.
“A água, quando se move, faz um som especial, muito especial”, disse Jaume Plensa, artista radicado em Barcelona.
A mensagem de sua “Alma da Água” de 24 metros, sua maior obra até hoje, é “ficar quieto… para ouvir o ruído profundo da água falando conosco”, disse ele em uma entrevista.
Artista Jaime Plensa posa ao lado da escultura “Alma da Água”, em Nova Jersey
Eduardo Munoz/Reuters
A cabeça branca como a neve contempla uma vista ampla do rio diante de uma floresta de arranha-céus na orla de Newport, bairro de Jersey City que cresce rapidamente.
Ela está diretamente em frente a Greenwich Village e cerca de seis quilômetros distante da Estátua da Liberdade, uma sentinela mais familiar da enseada.
Em uma manhã recente na qual Plensa viu a peça montada pela primeira vez, seu pedido de silêncio competiu com a vibração de motores a diesel do terminal ferroviário próximo de Hoboken, o rugido de helicópteros nos céus e gritos e risadas de crianças em carrinhos ao longo das passarelas à beira do rio.
Mas estes não são os tipos de ruído que Plensa diz que sua obra de arte está visando.
“Estou falando do ruído da informação e das mensagens para nós”, explicou ele na Galerie Lelong Co de Nova York, onde uma exibição de novos trabalhos estreia no dia 29 de outubro.
Escultura de 24 metros do artista Jaime Plensa ‘aponta’ para New York
Reuters/Eduardo Munoz