Escova progressiva mais ácida é mais prejudicial ao cabelo, afirma estudo

Um estudo realizado na Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) da USP, identificou que alguns produtos usados para fazer escova progressiva são mais ácidos que limão – com pH 2. Por isso, é importante que a formulação dos compostos presentes no procedimento sejam adequados.

De acordo com a pesquisa, a durabilidade do produto depende muito da acidez. Entretanto, essa acidez pode prejudicar a fibra capilar, já que danifica a estrutura interna do fio.

Um mestrado feito pela farmacêutica Alessandra Mari Goshiyama sobre “Avaliação das propriedades das fibras capilares tratadas com alisante ácido com diferentes valores de pH”, avaliou sobre o tema com o objetivo de descobrir se alisantes de pH 1 são mais perigosos para a fibra capilar do que alisantes com pH 2. Vale lembrar que quanto menor for o pH mais ácido ele é.

Assim que a pessoa faz uma progressiva não é possível perceber os danos causados aos fios, porque a escova cria um filme em torno do cabelo que disfarça essa percepção ao olho nu. Por outro lado, o cabelo fica quebradiço e ressecado por dentro – essa percepção pode vir com o tempo.

Durante a pesquisa da farmacêutica, foi constatado que mechas de cabelo tratadas com produtos mais ácidos eram mais lisos. Da mesma forma foi notado que as mesmas mechas também eram mais fracas e fáceis de quebrar.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) pretende atualizar a regulamentação que determina o pH mínimo e as fórmulas permitidos nesses produtos. Além disso, ela proíbe a venda de produtos químicos com pH 1.

O que é a escova progressiva?

A escova progressiva é um método de alisamento e redução do volume dos cabelos, diminuindo também o frizz. Ela é chamada dessa forma porque, a cada vez que se realiza esse procedimento, o cabelo apresenta melhores resultados nesses quesitos.

Inicialmente as escovas progressivas costumavam ter formol, mas como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou que os produtos usados nesses procedimentos podem ter no máximo 0,2% deste elemento químico em sua concentração, devido aos riscos para a saúde, hoje ele foi praticamente retirado da fórmula. Para saber mais sobre o procedimento, clique aqui!