Entenda a bipolaridade, que levou cantora Halsey à internação 2 vezes

Halsey, 24 anos, foi diagnosticada como bipolar aos 17 anos e está em tratamento

Halsey, 24 anos, foi diagnosticada como bipolar aos 17 anos e está em tratamento
Reprodução/Twitter

A cantora norte-americana Halsey, 24, revelou que, desde o começo de sua carreira, se internou secreta e voluntariamente duas vezes por conta da bipolaridade. “Falei para meu empresário que não faria nada de ruim no momento, mas estava chegando a um ponto que precisava lidar com aquilo”, contou à revista Rolling Stone dos Estados Unidos.

Conhecida por suas parcerias com a banda Chainsmokers em “Closer” e com a boyband coreana BTS, em “Boy With Luv“, além do hit “Bad at Love“, a jovem foi diagnosticada com o transtorno bipolar aos 17 anos. Ela afirmou à publicação que está em um longo período maníaco atualmente e que sabe que o episódio depressivo voltará. “Toda vez que acordo e percebo que estou em um episódio depressivo fico chateada”, afirmou.

Leia também: Transtorno bipolar é doença mental que mais causa mortes por suicídio

A bipolaridade é um transtorno de humor que se manifesta por fases, com duração de dias a meses, e podem variar entre períodos depressivos, em que o paciente pode se mostrar irritado e com dificuldades de realizar tarefas, e períodos de mania, aparentando felicidade, euforia, falante, com impulsividade e desfocado, segundo a psiquiatra Débora Kinoshita, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo. “O problema é diferente da labilidade emocional [incapacidade de controlar as próprias emoções], que apresenta variações constantes de humor”, afirma. 

Segundo a psiquiatra, a bipolaridade é comum tanto em homens quanto em mulheres e tem prevalência entre os 20 e 45 anos. O trantorno é diagnosticado por um psiquiatra. 

Saiba mais: Borderline pode ser confundida com depressão. Entenda o transtorno

“Por ter sintomas parecidos com o de outros problemas, cerca de 70% dos pacientes são inicialmente diagnosticados com depressão e só depois de passarem por cerca de quatro médicos conseguem ter o problema identificado”, explica Débora. A médica ainda afirma que não existem exames capazes de mostrar a bipolaridade, que é diagnosticada de manera clínica.

Entre os fatores que podem predispor uma pessoa à bipolaridade estão a herança genética, grandes exposições ao estresse e abuso de substâncias. Outra questão que pode desencadear uma crise é a privação de sono desses pacientes.

Veja também: Pacientes com transtorno mental devem ter tratamento humanizado

O tratamento para o transtorno bipolar é feito com medicamentos, que podem variar entre antidepressivos, estabilizadores de humor e antipsicóticos, dependendo do grau da doença e do período de manifestação que ela se encontra. O acompanhamento psicoterápico pode fazer parte do tratamento.

“A bipolaridade não pode ser prevenida. Alguns hábitos podem ajudar a pessoa a controlar as manifestações, como não exercer cargos noturnos e ter uma boa noite de sono, não usar substâncias psicoativas, entender a doença e fazer com que os outros também a entendam. É bom que famosos mostrem que a bipolaridade é uma doença como outras, mas que sua manifestação não é por dores, e sim por comportamentos”, explica a psiquiatra.

*Estagiária do R7 sob supervisão de Deborah Giannini

Você cuida da sua saúde mental? Saiba quais os principais transtornos: