Enredos sobre Arlindo Cruz e Zeca Pagodinho no Carnaval de 2023 são tributos ao samba da geração 1980


Arlindo Cruz (à direita) e Zeca Pagodinho são enredos das escolas Império Serrano e Grande Rio, respectivamente
Reprodução / Facebook Zeca Pagodinho
♪ O anúncio de que Arlindo Cruz será o tema do enredo do Império Serrano no desfile que marcará a volta do escola ao Grupo Especial do Carnaval do Rio de Janeiro, em 2023, gerou feliz coincidência. No mesmo Carnaval, Zeca Pagodinho será o enredo da Acadêmicos do Grande Rio, atual campeã do Carnaval carioca.
Além de amigos e compadres, Arlindo Cruz e Zeca Pagodinho são parceiros indissociáveis da história recente do samba do Rio de Janeiro. Os dois cantores e compositores cariocas são expoentes da geração de bambas que despontaram nacionalmente ao longo da década de 1980.
Zeca foi revelado como cantor em 1983 em disco de Beth Carvalho (1946 – 2019) e, três anos depois, conquistou definitivamente o Brasil com o primeiro álbum, Zeca Pagodinho (2006).
Arlindo despontou em 1981 como integrante do Fundo de Quintal, lançou o primeiro álbum solo em 1993, na sequência formou dupla com Sombrinha – com quem lançou discos relevantes entre 1996 e 2002 – e saiu novamente em carreira solo, alcançando o merecido sucesso popular como cantor a partir da segunda metade dos anos 2000.
Paralelamente, Arlindo Cruz sempre foi um dos melhores fornecedores de repertório para cantoras como Alcione e Beth Carvalho.
Por tudo isso, as celebrações de Arlindo Cruz e Zeca Pagodinho em enredos do Carnaval do Rio de Janeiro em 2023 simbolizam também, em última instância, tributos ao samba carioca produzido nos férteis fundos dos quintais cariocas.