Em ascensão na roda carioca, sambista El Pavuna grava álbum autoral com produção de Wilson Prateado


♪ Em 1985, a cantora e compositora carioca Jovelina Pérola Negra (1944 – 1998) ganhou projeção nacional com o lançamento de Feirinha da Pavuna – samba de autoria desta partideira de alta estirpe –no histórico disco coletivo Raça brasileira.
Foi inspirado no samba de Jovelina e na arte de bambas como Zeca Pagodinho que El Pavuna – nome artístico do cantor, compositor e ator carioca Thauan – criou roda de samba intitulada Feirinha do Pavuna.
De fato, Thauan é cria da Pavuna, bairro do Rio de Janeiro (RJ) – situado na zona norte da cidade, na fronteira com a Baixada Fluminense – em que o artista nasceu em 1994.
Filho de nordestino e neto de índia da tribo Quixadá, Thauan está na roda desde a adolescência, integra o projeto Aos novos compositores e, em ascensão, grava desde fevereiro o primeiro álbum.
Feito em estúdio, o disco tem arranjos e produção musical de Wilson Prateado, nome projetado na geração posterior de Jovelina, na turma do pagode dos anos 1990.
El Pavuna (à esquerda) com o produtor Wilson Prateado em estúdio
Divulgação
Intitulado Vide o céu da zona norte às cinco e meia e previsto para ser lançado em dezembro, o álbum de El Pavuna já gerou dois singles. O primeiro apresentou em 28 de abril o partido alto Minha sogra é boa demais (El Pavuna). O segundo foi lançado em 4 de junho com o pagode romântico Onze e vinte e três (23:23), composto pelo artista em parceria com Júnior Jaú.
O terceiro single do álbum está previsto para agosto com abordagem de música do repertório do grupo Los Hermanos, O vencedor (Marcelo Camelo, 2003).
Em que pese o registro da composição do quarteto carioca, El Pavuna apronta álbum com repertório essencialmente autoral. Até o momento, já foram gravadas oito faixas do disco com os toques dos músicos Dadá Costa (percussão), Maninho (percussão), Marcos Arcanjo (violão), Miudinho (percussão), Nélio Júnior (teclados), Paulo Bonfim (bateria) e Raul Silva (cavaco e banjo), além do próprio Prateado (baixo).
Dentre essas oito músicas já gravadas, há Jurei (El Pavuna, Daniel Rozadas e Lucas Machado), O amor não vai morrer (El Pavuna) e Senhor do tempo (El Pavuna).