Elenco relembra atuação de Chadwick Boseman em ‘A Voz Suprema do Blues’: ‘Lendária’


Último filme gravado pelo ator, que morreu no final de agosto, estreia nesta sexta-feira (18). ‘A voz suprema do blues’ ganha trailer com Chadwick Boseman
Os colegas atores consideram a atuação impressionante e os críticos de cinema usam palavras como “partir o coração”.
O desempenho final de Chadwick Boseman, no filme “A Voz Suprema do Blues”, que chega ao Netflix na sexta-feira (18), sempre será agridoce, mas também deve dar ao ator o tipo de atenção que ele nunca ganhou na vida.
“É uma atuação lendária nas telas”, disse o diretor George C. Wolfe. “Ele conduziu o papel com tanta ferocidade e deu sua intuição para o papel, e é isso que você vê na tela.”
Boseman, mais conhecido como o herói de “Pantera Negra”, morreu em agosto aos 43 anos, após manter em segredo uma batalha de quatro anos contra o câncer de cólon.
Em “A Voz Suprema do Blues”, a adaptação para as telas da peça teatral de August Wilson sobre a cantora Ma Rainey, Boseman interpreta o ambicioso trompetista Levee, ávido por mudanças, que entra em conflito com Ma, interpretada por Viola Davis.
Em um dos momentos-chave, Levee critica Deus por dar as costas aos negros em um discurso elogiado pelos outros atores.
“É como se tudo tivesse parado”, disse Michael Potts, que interpretou um dos membros da banda no filme.
“Algo muito espiritual aconteceu naquele momento. Foi algo do qual você não conseguia desviar o olhar… Foi um momento extraordinário. Foi um momento impressionante também”, declarou Potts.
A crítica do Washington Post disse que o discurso “não pode deixar de ter um trágico duplo sentido”, dada a morte de Boseman.
Michael Potts, Chadwick Boseman e Colman Domingo em imagem de ‘A voz suprema do blues’
David Lee/Netflix
Morre Chadwick Boseman, astro de ‘Pantera Negra’, aos 43 anos
VÍDEOS: Saiba tudo sobre entretenimento com o Semana Pop