Elenco de ‘Doctor Who’ revela bastidores do especial ‘A revolução dos Daleks’ e despedida


Episódio está disponível no Globoplay com destaque para volta de John Barrowman como capitão Jack Harkness. Equipe diz ao G1 que chorou assistindo o especial. John Barrowman como capitão Jack Harkness
Divulgação
O reencontro do capitão Jack Harkness (John Barrowman) com Doctor (Jodie Whittaker) marca o especial de Ano Novo de “Doctor Who”, “A revolução dos Daleks”, disponível no Globoplay. O episódio tem ainda a despedida de Ryan (Tosin Cole) e Graham (Bradley Walsh), que resolvem deixar de lado as viagens na TARDIS.
No episódio, o empresário americano Jack Robertson (Chris Noth), que fez sua estreia no episódio “Aracnídeos no Reino Unido”, retorna com um plano. Ele tenta vender ao governo britânico um novo sistema de “drones de segurança” – mas que acaba colocando o planeta inteiro em perigo ao mexer com ninguém menos do que os temíveis Daleks.
Em entrevista ao G1, o showrunner da série, Chis Chibnall, e os atores John Barrowman, Jodie Whittaker e Mandip Gil falam sobre como foi gravar “escondendo” o capitão Jack. Eles também comentaram a volta do personagem de Noth e a despedida dos colegas.
G1 – Como vocês decidiram trazer Jack Harkness de volta, dez anos depois? E o quanto foi difícil manter isso uma surpresa? Como vocês conseguiram filmar as cenas em segredo?
John Barrowman –A ironia é que eu fiz a prova do figurino no dia em que estava fazendo um show em Cardiff [no País de Gales, onde a série é filmada]. Ray (figurinista) veio ao hotel e era o mesmo hotel em que me hospedei com meu marido, Scott, depois que nos casamos e o hotel colocou fotos nossas no quarto. Então, estávamos fazendo a prova do figurino e eu tirei uma foto minha no quarto, com Cardiff ao fundo, e pensei “se as pessoas soubessem…”
Quando estávamos filmando, eu era levado para o set disfarçado com moletons. E também fui capaz de despistar as pessoas porque disse que estava lá para reformar nosso apartamento. É uma coisa divertida. Acho que porque moramos em Cardiff e temos uma casa lá, as pessoas não acham estranho quando me veem na cidade. Eles não acham que eu estou lá filmando. Portanto, é uma coisa muito boa ter uma casa lá, porque isso os confunde.
Chris Chibnall – Há muito tempo isso já vem sendo cozinhado. Sabíamos que ele voltaria para este especial, então o colocamos de volta na temporada anterior e no episódio dos Judoon no meio dela. Foi planejado por meio de muitos telefonemas e reuniões secretas, e reuniões não tão secretas, em shows de John Barrowman e coisas assim! Ele me contrabandeou nos bastidores e tivemos uma conversa secreta. Eu sabia que realmente queria que o Capitão Jack conhecesse o Décimo Terceiro Doutor e fazia muito tempo que ele não aparecia na tela em Doctor Who. E com os especiais de fim de ano, você quer que eles pareçam um agrado, e não há presente maior do que o Capitão Jack de John Barrowman.
Cena do especial do fim de ano de ‘Doctor Who’, Intitulado ‘A Revolução dos Daleks’
Divulgação/BBC
G1 – Neste especial vimos a Doutora se despedindo de dois de seus acompanhantes, o que é sempre emocionante. Quão desafiador é filmar uma cena como essa?
Mandip Gill – Eu não sou realmente uma pessoa emotiva, mas até eu estava tipo ‘isso é muito triste, eu nunca vou te ver de novo, você está tão ocupado, Brad, sempre filmando’. Mas é muito cedo para sentir falta deles, temos esse grupo de WhatsApp que está apitando o tempo todo e, obviamente, por causa do lockdown, não teríamos nos visto de qualquer maneira. Então é muito cedo para perceber o impacto de não estar com eles, porque estamos constantemente enviando memes ou uma mensagem.
Chris Chibnall – Posso dizer que é muito emocionante, acho que todos nós choramos assistindo. É uma parte muito importante da mistura do especial, onde você tem muitas emoções, muito entusiasmo, muito humor, muitos Daleks e muitas emoções. É difícil, mas não nos esquivamos do que significa para esta família ter seus momentos finais juntos. E foi emocionante fora da tela, é emocionante na tela, e é uma coisa incrível. Porque é como Jodie disse, todos eles se conectaram e nunca se sabe se isso vai acontecer. Você nunca poderia saber que todos eles iriam se dar bem e se divertir tanto, e acho que todos nos sentimos muito sortudos por isso ter acontecido. E isso é refletido dentro e fora da tela, mas espero que tenha parecido uma boa despedida para esses dois personagens, aconteça o que acontecer com eles.
Imagem do especial do fim de ano de ‘Doctor Who’
Divulgação/BBC
G1 – Algumas pessoas dizem que o personagem de Jack Robertson é uma citação a Donald Trump. Qual a inspiração por trás dele? E por que você decidiu trazê-lo de volta?
Chris Chibnall – Bem, eu amei o personagem dele, é uma atuação fabulosa de Chris (Noth). Ele adorou estar na série e estava muito ansioso para voltar. E a história de seu personagem não parecia ter terminado. Ele caiu em desgraça no final do episódio anterior em que o conhecemos. E a história de sua recuperação e como ele agarra seu caminho de volta ao mundo é vista nesta história.
Jodie Whittaker – Ele foi brilhante. Nós nos divertimos muito, então estávamos tipo ‘ótimo!’. Eu acho que para nós é muito importante que se alguém vier, e vai deixar sua família, principalmente alguém que vem de fora, vai ter que ficar muito tempo longe, tem muita coisa acontecendo, você não quer que essa energia seja falsificada na cena, você quer que seja uma bolha de excitação. Acho que tivemos muita sorte com todos os artistas convidados que vieram, todos trouxeram muito, mas sinto que todos eles também se divertiram muito. Acho que Chris é um gênio da comédia, acho ele hilário.
G1 – Tosin Cole (Ryan) e Bradley Walsh (Graham) deixaram a “família” no especial de Ano Novo – eles ainda podem retornar para aparições ocasionais, como aconteceu com Jack Harkness? E veremos isso acontecer com outros atores também?
Chris Chibnall –Você terá que esperar para ver, não é?
Cena do especial do fim de ano de ‘Doctor Who’
Divulgação/BBC
VÍDEOS: Semana Pop explica temas do entretenimento