Elefantes-asiáticos da China que caminharam 500 quilômetros estão voltando à reserva


Animais ainda estão a 200 quilômetros de distância da reserva, mas passaram para uma região já apropriada para animais selvagens. Elefantas-asiáticos atravessam uma ponte no caminho de volta para a reserva de onde saíram, em 8 de agosto de 2021
Centro de monitoramento de elegantes da província de Yunnan/via AP
Uma manada de 14 elefantes que fez uma jornada de um ano na região sudoeste da China urbanizada parece estar voltando para casa —no caso, um parque nacional.
Durante o tempo em que perambularam pelo país, os elefantes entraram em propriedades e fazendas para comer —inclusive um lar de idosos.
VÍDEO: Elefantes atravessam parte da China
LEIA TAMBÉM
Manada de elefantes selvagens se aproxima de grande cidade chinesa após viagem de 500km; assista
Longa marcha de elefantes na China destaca perda de habitat
Peregrinação de elefantes pela China vira meme, intriga especialistas e serve de alerta
Para monitorar os elefantes que atravessaram regiões urbanas foram usados drones e caminhões. Algumas estradas foram bloqueadas para carros para a segurança dos animais.
As autoridades usaram alimentos para tentar desviar os elefantes de regiões mais densas.
Nenhum animal ficou ferido.
No domingo (8) à noite, os animais atravessaram um rio e seguiram por uma trilha aberta para que eles cheguem a uma reserva natural.
Não se sabe por que os elefantes deixaram essa reserva há mais de um ano. Eles atravessaram mais de 500 quilômetros em direção ao norte. Perto de uma região onde há turismo e empresas, os animais voltaram a caminhar para o sul, mas ainda estão longe da reserva —ainda faltam cerca de 200 quilômetros. Mas mesmo longe da reserva, a manada já está em um local apropriado para animais selvagens, de acordo com a agência de florestas da China.
VÍDEO: Elefantes cruzam cidades na China após deixarem reserva
Um elefante macho que foi separado do grupo foi tranquilizado e o levaram de volta à reserva.
Os elefantes-asiáticos são protegidos no país. A população deles cresceu e, hoje, é de cerca de 300, mesmo que o habitat deles tenha diminuído por causa do crescimento da agricultura e da urbanização.
Veja os vídeos mais assistidos do G1