Educação abre inscrições para preenchimento de vagas remanescentes na rede pública do AC


Inscrições começam nessa segunda (2) e se estendem até o dia 10 de agosto e podem ser feitas nas próprias escolas estaduais. Vagas são para novas matrículas e rematrículas. Vagas remanescentes foram abertas após transferência de alunos
Arquivo pessoal
A Secretaria de Educação, Cultura e Esportes do Acre (SEE) inicia nesta segunda-feira (2) as inscrições para preenchimento de vagas remanescentes da rede pública de ensino do Acre. Essas vagas são para novas matrículas e rematrículas do ensino fundamental e médio.
Os pais e responsáveis de alunos que ainda não estão estudando têm até o dia 10 de agosto para fazer a inscrição e garantir uma vaga.
A volta das aulas presenciais nas escolas estão previstas para retornarem no dia 8 de setembro com modelo de ensino híbrido – com aulas presenciais e remotas. Segundo Secretaria de Educação do Acre (SEE) não há previsão de quando as aulas voltarão a ser 100% presenciais.
A retomada, mesmo que híbrida, vai ser feita de forma gradual. Iniciando pelas chamadas “séries de transição”, como por exemplo, o 1º ano, o 5º ano e o 9º ano do ensino fundamental e o 3º ano do ensino médio.
O ano letivo 2021 começou com um atraso de mais de um mês na maioria das escolas da rede pública do Acre, devido à greve dos trabalhadores da Educação. As aulas estão sendo de forma remota.
Vagas remanescentes
O processo de rematrículas e nova matrículas é feito pelo Departamento de Gestão de Redes da SEE. Os pais e responsáveis dos alunos podem fazer a inscrição na própria escola de interesse do filho. O chefe do departamento, Aberson Carvalho, explicou que o número de vagas é relativo em cada escola.
“Depende da escola, da série, da proximidade da casa porque são vagas que estão sobrando. Não tenho como especificar quantas escolas e vagas porque vai variar, de acordo com o zoneamento e ordenamento. Por exemplo, tem escola que só tem uma vaga, então, dependendo da escola e da localidade fica difícil precisar”, justificou.
Ainda segundo Carvalho, a abertura dessas vagas se deu após transferências de alunos para outras instituições de ensino. “Quando avaliamos o reordenamento das escolas, observamos essas vagas em aberto, pois muitos não atentaram para o início do ano letivo e que em breve voltaremos ao novo normal, inclusive com o ensino híbrido”, destacou.
Acre continua com ensino à distância até, pelo menos, 8 de setembro
UFT/Divulgação
Condições para retomada presencial
Em novembro de 2020, o governo do Acre publicou o decreto Nº 7.225 que trata sobre o retorno das aulas presenciais em instituições públicas e privadas de ensino do estado. A previsão era de que fosse possível iniciar ainda no ano passado, mas com o avanço da pandemia, a gestão voltou atrás. Este ano, a SEE voltou a divulgar o retorno das aulas presenciais a partir de março, mas também não foi para frente.
A autorização para a retomada se aplica para as regionais que estão classificadas nos níveis de alerta, representado pela bandeira laranja; de atenção, na bandeira amarela; ou de cuidado, pela cor verde. Para o retorno, as instituições devem ainda cumprir com os protocolos sanitários dispostos no decreto.
As instituições devem definir calendário alternado em dias ou turnos, para atendimento presencial dos estudantes, em grupos, respeitado o distanciamento de 1,5 metro entre as carteiras e definir capacidade máxima por sala de aula.
Além de manter os estudantes e professores em pequenos grupos fixos que não se misturem e escalonar os intervalos, uso dos banheiros, horário de merenda, início e término das aulas.
As escolas e faculdades devem ainda ter profissionais capacitados em treinamento ofertado pelas vigilâncias sanitárias municipais, com apoio da Vigilância em Saúde Estadual, para implantação dos protocolos sanitários nos estabelecimentos
Cada unidade de ensino deve ainda criar um comitê escolar com a função de promover ações de divulgação e fiscalização do protocolo sanitário.
Aulas remotas
As aulas presenciais foram suspensas no dia 17 de março, na semana em que o Acre confirmou os três primeiros casos de Covid-19. Desde então, os alunos têm acesso ao conteúdo escolar pela internet por videoaula, pelo rádio com audioaulas, pela televisão e também com o material impresso disponibilizado nas escolas.
Em 2020, em meio à pandemia, os alunos da rede pública estadual concluíram os bimestres, também por meio do ensino remoto. Em fevereiro deste ano, a SEE chegou a divulgar um calendário do retorno das aulas com sistema híbrido – aulas presenciais e remotas. A ideia era começar as aulas presenciais já em março deste ano.
Contudo, os casos de Covid-19 aumentaram e Comitê de Acompanhamento Especial da Covid-19 colocou todo o estado na bandeira de emergência, e suspendeu as atividades não essenciais.
A Educação continua com o programa Escola em Casa, que trabalha com o material impresso, audioaulas transmitidas pela TV e também pela Rádio Difusora e Aldeia Acreana, e videoaulas transmitidas pela Amazon Sat, além de disponibilização do acervo escola na Plataforma Educ Acre.
Escolas particulares
Diferente das escolas públicas, a maioria das instituições particulares iniciou as aulas de 2021 ainda em janeiro, e outras em fevereiro, e estão na fase de conclusão do primeiro semestre.
Segundo o Sindicato das Escolas Particulares, a previsão era de que o primeiro semestre se encerrasse no dia 9 de julho e que o segundo semestre comesse no dia 2 de agosto.
Todas as escolas sindicalizadas estão com ensino híbrido (aula remota e presencial) e seguindo o que determina o decreto governamental, com capacidade limitada de até 50% dos alunos, por conta da bandeira amarela.
Para o retorno presencial, as escolas tiveram que passar por uma adaptação. Os profissionais passaram por treinamento ofertado pelas vigilâncias sanitárias municipais e estadual e os pais foram consultados sobre qual modalidade os filhos adotariam, se presencial ou remota. Cada instituição teve ainda que instituir um comitê para elaboração do planejamento de retomada e o documento precisou ser entregue aos Conselhos Municipais de Educação e ao Conselho Estadual de Educação.
VÍDEOS: G1 em 1 Minuto