Ed Motta revela existência de gravação inédita de Cassiano nos anos 1990


Morto aos 77 anos, o gênio do soul brasileiro também teria deixado álbum feito em 1978. Cassiano na contracapa do primeiro álbum solo, ‘Imagem e som’, de 1971
Reprodução
♪ Ocorrida na tarde de sexta-feira, 7 de maio, a morte de Cassiano (1943 – 2021), aos 77 anos, ainda repercute nas redes sociais, gerando indignação pelo ostracismo amargado durante décadas por esse cantor, compositor e guitarrista carioca cuja obra é um dos pilares do soul e do funk brasileiros que despontaram em 1969 e explodiram a partir de 1970.
Discussões à parte, Ed Motta – um dos mais ardorosos discípulos do artista – revelou na manhã desta quarta-feira, 12 de maio, a existência de gravação inédita feita por Cassiano em 1994, no estúdio do produtor Guto Graça Mello, com os músicos Claudio Infante (bateria), Ezio Filho (baixo) e William Magalhães (teclados).
Essa gravação foi bancada por produtor executivo com quem Ed arquitetara, em Nova York (EUA), naquele ano de 1994, a feitura de disco (de Ed) nunca finalizado. A intenção era que a gravação de Cassiano fosse uma amostra para viabilizar o registro e edição do que poderia ter sido o quinto álbum solo de Cassiano.
“Para mim. junto com Cuban soul, essa fita é o melhor disco do Cassiano. Tem desde as baladas perfeitas que ele fazia, até temas pop-funk com total destreza da linguagem”, avaliza o sempre exigente Ed Motta, em texto publicado nas redes sociais do artista, comparando a gravação inédita com o álbum Cuban soul – 14 kilates (1976), terceiro álbum solo de Cassiano.
Como Ed conta no texto, a fita DAT com a gravação se perdeu no estúdio do cantor, no bairro carioca da Tijuca, mas existe cópia que circula entre os admiradores de Cassiano.
“A cópia que existe é tirada de uma fita cassete. Ainda assim, merecia uma masterização para ser lançada para eternidade. Como Cassiano é um intérprete fenomenal, o rei das firulas vocais (os melismas que o Cassiano chamava de sílaba… gênio), ninguém deveria tocar nessas músicas. A forma que ele interpreta é definitiva, única. (…). O que o Cassiano imprime, seja sozinho com violão ou com uma banda, é território único. A versão do autor é sempre soberana. Existe também um disco inédito na CBS com sonoridade semelhante ao clássico Cuban soul, ou seja, dois discos inéditos do Cassiano podem (deveriam) ser lançados. Joias escondidas….“, argumenta Ed.
O cantor se refere ao álbum feito por Cassiano em 1978 para a gravadora CBS. Com arranjos do pianista Dom Charles para músicas então inéditas como Soul divinal e Viver de amor, esse álbum teve o lançamento abortado pela diretoria da CBS por ser considerado um disco sem apelo comercial.
O destino da fita master desse disco permanece ignorado e não se sabe, inclusive, se o álbum chegou a ser efetivamente concluído por Cassiano diante do desinteresse da CBS em editar o LP.