Dossiê dos SUVs: conheça e compare os 10 principais modelos


Foram analisados critérios como segurança, equipamentos, custos de manutenção e seguro e desempenho. Segmento representa 1/4 das vendas de carros novos no Brasil. SUVs mais vendidos do Brasil
Marcelo Brandt, Fábio Tito, André Paixão e Guilherme Fontana/G1
Há dez anos, apenas 1 em cada 15 carros novos vendidos no Brasil era SUV. Hoje, a porcentagem é de 1 para cada 4. E esse número só deve aumentar nos próximos anos.
De olho no gosto dos clientes, as fabricantes têm despejado nas lojas diversos lançamentos, de todos os tamanhos e preços. A fatia mais disputada deste segmento é aquela que contempla modelos que custam entre R$ 75 mil e R$ 110 mil – 9 dos 10 SUVs mais vendidos entre janeiro e maio deste ano estão nesta faixa.
Entre tantas opções, qual é o mais espaçoso? E o que tem preço de seguro mais baixo? Qual oferece o melhor pacote de equipamentos? E o que tem melhor desempenho off-road?
Para responder a estas e outras perguntas, o G1 listou estes 9 modelos mais vendidos, além do Volkswagen T-Cross, o principal lançamento da categoria em 2019.
Radar – SUVs
Diana Yukari/G1
Os modelos foram comparados levando em conta seis critérios: consumo, desempenho, espaço, equipamentos, aptidão off-road e modernidade do projeto.
Dentro deles, estão aspectos relevantes para o consumidor. É o caso do custo das revisões, valor do seguro (com cotações da Minuto Seguros), espaço no porta-malas e presença de equipamentos de segurança, conforto e tecnologia, entre outros.
O objetivo não é apontar um vencedor, afinal os veículos possuem, na maior parte dos casos, diferentes versões, com propostas distintas. A ideia é mostrar as principais virtudes e defeitos de cada um.
Chevrolet Tracker
Chevrolet Tracker
Fabio Tito/G1
A Chevrolet atualizou o visual do Tracker há pouco mais de dois anos – na mesma época em que adotou a eficiente motorização 1.4 turbo. Isso faz dele um dos modelos mais gostosos de dirigir. Nas vendas, ele tenta se destacar no pelotão intermediário.
Só que a Chevrolet derrapou ao deixar de lado equipamentos comuns nesta categoria – é o caso dos airbags adicionais aos obrigatórios, do ar-condicionado digital. Seu seguro é o terceiro mais alto, enquanto o porta-malas é o mais acanhado. Uma nova geração já foi apresentada, e foi confirmada para o Brasil.
Citroën C4 Cactus
Citroën C4 Cactus
Fabio Tito/G1
Ainda que tenha sido lançado há quase um ano, o SUV compacto da Citroën ainda traz ares de novidade. Seu visual é o menos convencional do grupo, enquanto o porte está mais para hatch médio.
Os maiores méritos do Cactus são oferecer uma versão topo de linha muito bem equipada por menos de R$ 100 mil e um motor turbo competente, com 173 cavalos. Por outro lado, entre os modelos aqui citados, ele é o que tem menor porte, além de possuir a segunda apólice de seguro mais cara e o terceiro pacote de revisões com custos mais elevados.
Ford EcoSport
Ford EcoSport
Guilherme Fontana/G1
A Ford tem tentado manter seu produto nos holofotes. Primeiro, a reestilização de 2017, acompanhada de um novo motor 1.5 e a aposentadoria do câmbio Powershift. Neste ano, a novidade é a adoção dos pneus “run flat” (que podem rodar vazios) na versão topo de linha. Com isso, o fundador deste segmento consegue figurar bem no pelotão intermediário.
Só que seu projeto antigo já dá sinais de cansaço. Ele é pequeno, comparado aos rivais. Seu entre-eixos é o menor do grupo, enquanto o porta-malas está longe de ser farto. Para piorar, a versão 2.0 4×4 é uma das piores em consumo, ainda que o novo 1.5 seja um motor competente e econômico.
Honda HR-V
Honda HR-V
Fábio Tito/G1
Ex-líder da categoria, o HR-V mudou pouquíssimo no ano passado para continuar cativando o público. No entanto, a maior novidade acaba de chegar às lojas. É a nova versão com motor 1.5 turbo, que promete, com o perdão do trocadilho, “turbinar” as vendas do Honda. O problema é que ela chega custando o mesmo que um SUV médio, R$ 140 mil.
Na última mudança, a fabricante japonesa até melhorou o pacote de equipamentos do HR-V. Só que ele continua custando muito pelo que oferece. Este é seu principal ponto negativo. Sob outra ótica, nenhum outro SUV compacto oferece tanta versatilidade quanto ele.
Hyundai Creta
Hyundai Creta
Fabio Tito/G1
Campeão de vendas entre os SUVs compactos em 2018, o Hyundai Creta está no auge de sua forma. Mesmo assim, com quase três anos de mercado, deve receber uma reestilização. O visual, porém, deve ser diferente da versão chinesa, apresentada no Salão de Xangai.
Uma das grandes virtudes do Creta é não ir muito mal em nenhum critério. O ponto onde ele vai pior é o consumo de combustível. Por outro lado, suas revisões estão entre as mais baratas, enquanto sua etiqueta de preços fica na média da concorrência.
Jeep Renegade
Jeep Renegade
Marcelo Brandt/G1
Em 2019, o Renegade tem dominado o segmento, bem à frente dos rivais nas vendas. E olha que as mudanças feitas pela Jeep no ano passado foram bem tímidas. Ainda assim, seu visual é bastante diferente do resto da turma.
O Jeep é o único modelo compacto que oferece opção de motor diesel. Por outro lado, suas revisões são as mais caras do grupo – puxadas pelos custos elevados de manutenção do motor diesel. Já a versão flex fica devendo desempenho melhor, com o prejuízo de também não entregar economia de combustível.
Nissan Kicks
Nissan Kicks
Fábio Tito/G1
No ano passado, o Kicks finalmente se firmou entre os SUVs mais vendidos do Brasil – ele foi o terceiro colocado, no encalço de Creta e HR-V. Sem mudanças desde o lançamento, em 2016, a perspectiva é que o modelo ganhe uma motorização híbrida nos próximos anos.
Mesmo sem a adição de um motor elétrico, o Nissan figura entre os mais econômicos da categoria – a contrapartida vem com um desempenho que não empolga. Nos custos, ele também se sai bem com uma apólice de seguros entre as mais baixas e revisões com preços camaradas.
Renault Captur
Renault Captur
Marcelo Brandt/G1
O Captur é uma releitura com visual moderno do Duster. Lançado em 2017, compartilha plataforma e conjunto mecânico com o SUV da Renault. Isso quer dizer que alguns vícios também são comuns. É o caso da sede por combustível – principalmente na versão 2.0.
Ele também não se destaca por oferecer tantos equipamentos de conforto ou segurança. Pelo menos não cobra a mais por isso. As virtudes também são comuns às do Duster – espaço mais generoso do que a média. Seu seguro é o segundo mais baixo.
Renault Duster
Renault Duster
Celso Tavares/G1
O Duster até tenta compensar a falta de modernidade com um preço mais baixo. Tanto que sua versão topo de linha custa menos do que as configurações de entrada de outros rivais. Uma das – poucas – vantagens do Duster é a apólice de seguro mais baixa entre os 10 SUVs.
Ele também é dono do maior porta-malas, e um dos poucos que oferece tração 4×4. Por outro lado, fica devendo itens de conforto como ar-condicionado digital, e de segurança, caso dos airbags laterais ou de cortina. Tudo isso deve ser resolvido com a chegada de uma nova geração, no ano que vem.
Volkswagen T-Cross
Volkswagen T-Cross
Fabio Tito/G1
A Volkswagen demorou para entrar no segmento. Agora, quer tirar o atraso e promete colocar seu modelo entre os mais vendidos da categoria. Para isso, o T-Cross chega com uma oferta bem variada de versões – elas custam de R$ 70 mil a R$ 110 mil. Como praxe na marca, alguns itens são opcionais, e o preço pode subir até R$ 125 mil.
O T-Cross se destaca por ser o mais econômico do grupo, além de ter as revisões mais baratas (as 3 primeiras são grátis). Apesar de ter bom espaço interno, sua carroceria é bastante compacta – a conta vem no porta-malas abaixo da média – os maiores rivais têm compartimento mais espaçoso.
Quanto custam os SUVs mais vendidos do país
Diana Yukari/G1