Donald Trump diz que chegou a acordo sobre migração e suspende tarifas que seriam aplicadas ao México


EUA começariam a aplicar taxas sobre importações mexicanas a partir de segunda-feira. Representantes mexicanos tentaram, durante a semana, convencer a Casa Branca a desistir da ideia. Melania e Donald Trump embarcam no Air Force One rumo a Washington após visita à Europa
Carlos Barria/Reuters
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta sexta-feira (7) que chegou a um acordo com o México e, assim, suspendeu a aplicação de taxas a produtos importados mexicanos programada para começar na segunda-feira.
As taxas, que aumentariam mês a mês até um patamar máximo de 25%, faziam parte de uma estratégia de Trump para forçar o México a tomar medidas contra o fluxo de imigrantes ilegais rumo aos EUA.
Em mensagem no Twitter, o presidente norte-americano disse que o México concordou em adotar “fortes medidas” para controlar o problema migratório. As detenções de imigrantes na fronteira entre EUA e México atingiram em maio maior nível em uma década.
“Isso está sendo feito para reduzir significativamente ou eliminar a imigração ilegal que sai do México rumo aos Estados Unidos”, escreveu Trump.
Initial plugin text
Representantes do governo mexicano, inclusive o ministro de Relações Exteriores, Marcelo Ebrard, estavam em Washington em reuniões na Casa Branca para tentar convencer o governo norte-americano a desistir das tarifas. Os detalhes do acordo firmado ainda não foram divulgados.
Mais cedo, o presidente dos EUA disse ter visto “boa chance” de que os dois países chegassem a um acordo. “Se conseguirmos […], eles começarão a comprar produtos agrícolas em altas quantidades, começando imediatamente”, afirmou Trump, pelo Twitter.
Em uma tentativa de agradar Trump, o México anunciou na quinta-feira o deslocamento de cerca de 6 mil soldados da Guarda Nacional rumo à fronteira com a Guatemala – país de onde sai parte do fluxo de migrantes centro-americanos rumo aos EUA.
Reportagem em atualização