Dixie Chicks, trio de country dos EUA, muda nome para Chicks para apoiar protestos antirracistas


Trio de cantoras consagradas no country americano tirou do nome palavra que remete aos Estados Confederados, que lutaram pela manutenção da escravidão no sul dos EUA. Trio de country Chicks, que tirou a palavra ‘Dixie’ do nome
Divulgação
O trio de cantoras Dixie Chicks, que estão entre as artistas mais importantes do country dos EUA, tirou o termo “dixie” do nome para apoiar os protestos antirracistas no país.
A palavra remete aos Estados Confederados do sul do país, que lutaram pela manutenção da escravidão no sul dos EUA na Guerra Civil do século 19. Símbolos confederados são usados até hoje com conotação racista.
“Nós queríamos nos conectar com esse momento”, disse nesta quinta-feira (25) o trio nas suas redes sociais, todas já alteradas com o novo nome The Chicks.
Elas já haviam lançado a música “March march”, em apoio aos protestos contra o racismo que tomaram os EUA após o assassinato de George Floyd.
‘Canceladas’ por republicanos em 2003
O trio foi símbolo de outro protesto nos EUA na década passada, contra a invasão do Iraque. Em 2003, elas disseram que tinham “vergonha” pelo fato de o então presidente, o republicano George W. Bush, ser do mesmo estado delas, o Texas.
Como boa parte do público da música country coincide com o perfil branco e conservador do sul do país, que apoiava em peso o governo Bush, a rejeição à fala das Dixie Chicks na época foi enorme. Elas foram alvos de protestos e boicotes.
Mas elas também acabaram sendo abraçadas pelo público urbano e liberal, deram a volta por cima e em 2007 levaram cinco Grammys e foram o grande destaque da premiação com o disco “Taking the long way”.