Dira Paes comenta volta de ‘Fina Estampa’ e importância de falar de novo sobre violência doméstica


Atriz também falou sobre surpresa por não lembrar de muitas cenas reprisadas: ‘Me incomodava o fato de não conseguir antecipar a novela em minha memória’. Dira Paes
Globo/João Cotta
Com as produções das novelas interrompidas por causa do coronavírus, “Amor de Mãe” e “Salve-se quem puder” deixaram de ser gravadas. Outras passaram a ser reprisadas, como “Fina Estampa”, no ar com uma edição especial no horário das 21h.
Para Dira Paes, a importância do retorno da novela para a TV neste momento de quarentena vai além do entretenimento.
“Eu acho que as coisas não acontecem por acaso. A presença de ‘Fina Estampa’ nesse momento da pandemia está ressuscitando o tema da violência contra a mulher com muita atualidade. O que nos faz sentir, de certa maneira, que nós não avançamos muito nessa questão”, afirmou a atriz durante entrevista com jornalistas por teleconferência.
Na novela, Dira era Celeste, uma mulher que sofria com a violência doméstica e era agredida física e verbalmente pelo marido, Baltazar (Alexandre Nero).
Em suas redes sociais, a atriz aproveitou o momento e compartilhou um vídeo que aborda o tema. “Com certeza tem alguma ‘Celeste’ ao seu lado precisando assistí-lo urgentemente.”
Initial plugin text
“A gente está tendo que fazer um volume de campanha pra conscientização, pra denúncia, pra não cumplicidade dessa violência.”
“A gente sabe que é muito difícil interferir num seio familiar, mas ao mesmo tempo a gente percebe que a gente não pode ser passivo à violência”.
“Lembro que durante a época da novela foram tentadas inúmeras maneiras de denunciar. Uma delas é fazer um barulho quando você está ouvindo sua vizinha, seu vizinho, em uma situação de violência. Seria um código entre as pessoas para que, de alguma maneira, a gente pudesse tentar frear o feminicídio, que cresceu enormemente nos últimos anos. E a gente precisa falar sobre isso.”
Dira Paes é Celeste em “Fina Estampa”
Globo/Zeca Guimarães
Cena marcante
Dira também aproveitou para recordar uma das cenas mais marcantes para ela na novela: o momento em que Celeste vai assistir à apresentação da filha Solange (Carol Macedo) em um baile funk na favela.
“A mãe mesmo sendo violada fisicamente, moralmente, apoia a filha no seu segredo. Ela se arrisca pela filha, ela vai atrás do sonho da filha, ela reforça os desejos da filha para que a filha não repita seu ciclo de frustração e de não realização.”
“Esse momento é uma luz no fim do túnel da Celeste. É você, apesar de todos os riscos que corre, manter a chama acessa do outro, daquele que você ama inexoravelmente, acima de tudo.”
Que cena era essa?
Com o retorno da novela quase 10 anos após sua exibição original, Dira Paes conta que foi pega de surpresa com um incômodo pela falta de lembrança de algumas cenas de Celeste.
“Senti um estranhamento engraçado de algo que eu não esperava sentir. Não era um estranhamento nostálgico. Foi de perceber que eu não lembrava de muitas situações, cenas e comecei a me questionar se era da minha memória. Fui ficando surpreendida com quantas cenas eu tinha esquecido.”
“E isso foi sendo muito legal, porque são surpresas ótimas, mas ao mesmo tempo, me incomodava o fato de não conseguir antecipar a novela em minha memória”, comentou.
Dira afirmou também que o retorno da novela para a TV fez com que ela apontasse erros e acertos em cena, além de experimentar sentir novamente as sensações da personagem:
“Em algumas cenas, parece que eu tinha retrospectiva do que eu sentia como personagem e, não, como Dira.”