‘Dinosaurs In Love’: menina de 3 anos viraliza com música que ela mesma compôs


Quando o músico Tom Rosenthal tuitou a doce canção de sua filha, ele nunca imaginava que ela seria um viral com milhões de visualizações. Fenn e seu pai, Tom Rosenthal
Arquivo Pessoal/Tom Rosenthal
Ela é uma menina britânica de três anos que já foi vista mais de quatro milhões de vezes cantando uma música sobre dinossauros que ela mesma compôs.
Com a ajuda de seu pai Tom, a música de Fenn Rosenthal se tornou viral nos últimos dias.
Tom, um músico profissional, postou a faixa em sua conta do Twitter no dia 28 de janeiro. Até a noite dessa quinta-feira (30), a publicação já havia sido retuitada mais de 57 mil vezes e curtida por mais de 218 mil perfis.
Initial plugin text
“Eu pensei que era uma música coerente e agradável. Você aperta um botão e diz ‘oh, sim, aqui vamos nós. Aí vem um viral'”, disse Tom, que tem 33 anos.
O pai da garota afirma que suas duas filhas costumam entrar no estúdio onde ele faz gravações quando elas estão um pouco entediadas.
“Elas inventam as letras e, muitas vezes, a melodia. Eu apenas ajudo a fazer uma música completa”.
Tom já lançou cinco álbuns, mas acredita que a música da filha se tornou mais famosa que qualquer uma de suas músicas. “Meu sucesso sempre foi moderado. Então, estou feliz por ela fazer algo que queira. Digamos que fui facilmente derrotado.”
A música, Dinosaurs In Love, fala sobre os répteis dando uma festa e devorando seres humanos. Mas foi a descrição de Fenn sobre os dinossauros extintos que tocou muitas pessoas.
Initial plugin text
O pai de Fenn disse que não estava surpreso por ela ter escrito essa letra, pois a menina de quase quatro anos já havia feito perguntas sobre o que acontece quando as pessoas morrem.
“Ela é uma daquelas crianças que falam sobre isso de maneira bastante racional. Ela fala sobre a morte de maneira bastante aberta.”
Melodia e emoção
A professora Nicola Dibben, musicóloga da Universidade de Sheffield, na Inglaterra, acredita que é em parte por isso que a música é tão atraente. “É extravagante. Ela está falando sobre coisas bem profundas, ou pelo menos está fazendo as pessoas pensarem sobre essas coisas. E isso é por que isso ela afeta tanta gente.”
A música dura apenas um minuto, mas Dibben acha que a melodia é outra razão pela qual as pessoas se engajaram tanto.
“Eles (pai e filha) estão usando uma estrutura de música pop com a qual todos estamos familiarizados.”
A dinâmica entre pai e filha também não passou despercebida. “É tão adorável a maneira como eles cantam juntos como um pequeno dueto. O pai a apoia tão bem”, diz Dibben.