Diesel recua nos postos após 10 altas semanais consecutivas; gasolina sobe


As seguidas altas do diesel foram registradas mesmo com cortes da Petrobras nas refinarias. Bomba de combustível abastece carro em posto de São Paulo. gasolina, preço da gasolina, frentista, álcool, diesel, combustíveis, reajuste, aumento. -HN-
Marcelo Brandt/G1
Os preços médios do diesel nos postos brasileiros caíram levemente na semana passada, após uma série de dez altas semanais consecutivas, apontaram dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) nesta segunda-feira (18).
Nas bombas, o preço médio do diesel – combustível mais comercializado do Brasil – caiu 0,08% na semana passada, ante a semana anterior, para R$ 3,715 por litro.
As persistentes altas do diesel nos postos ocorriam apesar da Petrobras ter realizado cortes no combustível de cerca de 1,5% em 25 de outubro e de aproximadamente 3% em 1º de novembro. Desde então, a estatal tem mantido os preços estáveis.
Já a gasolina subiu pela terceira semana seguida para R$ 4,407 por litro, avanço de 0,11%, apesar de um longo período sem alteração no preço médio do combustível nas refinarias brasileiras.
A última mudança no preço médio das cotações da Petrobras para a gasolina foi há mais de 50 dias, em 27 de setembro, com alta de cerca de 2,5%.
A Petrobras tem reiterado que sua política de preços para a gasolina e o diesel segue os princípios da paridade de importação, formada pelas cotações internacionais destes produtos mais os custos que importadores teriam, como transporte e taxas portuárias.
O repasse dos ajustes de preço nas refinarias para o consumidor final nos postos não são imediatos e ainda dependem de diversos fatores, como impostos, margens de distribuição e revenda e mistura de biocombustíveis.
O etanol, concorrente direto da gasolina nas bombas, subiu 0,6% na semana passada, para 2,963 reais por litro.