Déficit comercial dos EUA com a China em março atinge mínima de 5 anos


As importações de produtos da segunda maior economia do mundo caíram 6,1%. Já as exportações para a China cresceram 23,6% em março. A guerra comercial entre os EUA e a China pode ser o início de uma mudança de tendência no comércio global
127071/Creative Commons
O déficit comercial dos Estados Unidos com a China, foco da agenda “América Primeiro” do presidente norte-americano, Donald Trump, caiu para o menor nível em cinco anos em março, em meio a um aumento nas exportações, incluindo de soja.
O relatório do Departamento de Comércio nesta quinta-feira (9) foi divulgado em meio a crescentes tensões comerciais entre Washington e Pequim. Trump disse no domingo que aumentará as tarifas sobre US$ 200 bilhões em mercadorias chinesas de 10% para 25% nesta sexta-feira (10). A China prometeu retaliar se as tarifas entrarem em vigor.
China pede meio-termo com EUA e nega retrocesso
Guerra comercial: entenda a tensão entre EUA e outras potências
O déficit comercial com a China diminuiu 16,2% em março, para um valor não ajustado de US$ 20,7 bilhões, o nível mais baixo desde março de 2014. As importações de produtos da segunda maior economia do mundo caíram 6,1%. As exportações para a China cresceram 23,6% em março.
Quando ajustado pelas flutuações sazonais, o déficit com a China foi de US$ 28,3 bilhões. Esse foi o menor nível desde abril de 2016 e seguiu-se a um déficit de US$ 30,1 bilhões em fevereiro.
No ano passado, Washington impôs tarifas sobre US$ 250 bilhões em produtos importados da China, com Pequim respondendo com tarifas sobre US$ 110 bilhões em produtos norte-americanos.
Já o déficit comercial total dos EUA aumentou 1,5%, para US$ 50 bilhões em março. Economistas consultados pela Reuters previam que o déficit comercial se ampliaria para US$ 50,2 bilhões em março.