Defesa da cloroquina e oposição a isolamento social também levaram à derrubada de postagens de Bolsonaro; veja quais


YouTube removeu ao menos 17 vídeos em que presidente defende medicamentos sem eficácia comprovada contra a Covid. Facebook, Instagram e Twitter apagaram publicações em que ele promove aglomerações durante a pandemia. Facebook tirou do ar live de Bolsonaro com mentira sobre vacina da Covid e Aids
Reprodução
Posições contrárias a isolamento social, defesa de remédios ineficazes contra a Covid-19 e até mesmo dados distorcidos sobre número de mortes por doenças respiratórias também já levaram à derrubada de postagens do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) por redes sociais.
A mais recente exclusão foi feita pelo Facebook. A rede social tirou do ar uma live publicada no dia 21/10, após o presidente compartilhar uma mentira sobre a relação entre vacina contra a Covid e a Aids.
O vídeo não está mais disponível nas contas de Bolsonaro no Facebook e também no Instagram, que pertence ao mesmo grupo.
Defesa da cloroquina e ivermectina
A defesa do uso cloroquina e ivermectina contra Covid, medicamentos que não têm eficácia comprovada contra a doença, é uma das principais razões que levaram o Youtube, por exemplo, a derrubar pelo menos 17 vídeos do Bolsonaro neste ano.
Ao menos menos 10 deles continham menções a cloroquina, apontou o levantamento da empresa de análise de dados Novelo Data.
A remoção dos vídeos sobre esse tema começou após uma atualização da política de uso do YouTube feita em abril.
Oposição ao isolamento social
Em março de 2020, o Facebook e o Instagram removeram um vídeo em que Bolsonaro aparece provocando aglomerações em um passeio em Brasília. Na gravação, ele se posicionou contra o isolamento social, medida defendida por autoridades de saúde para conter o coronavírus.
Na ocasião, o Facebook afirmou que o vídeo foi removido porque suas regras “não permitem desinformação que possa causar danos reais às pessoas”.
Facebook e Instagram removem vídeo publicado por Bolsonaro
O Twitter também removeu dois vídeos da aglomeração causada por Bolsonaro naquela situação. As publicações deram lugar ao seguinte aviso: “Este tweet não está mais disponível porque violou as regras do Twitter”.
A plataforma explicou à época que havia ampliado suas regras para agir em relação a “conteúdos que forem eventualmente contra informações de saúde pública orientadas por fontes oficiais e possam colocara as pessoas em maior risco de transmitir Covid-19”.
Rede social apaga posts de Bolsonaro por violarem regras
Dados distorcidos
O Instagram ocultou em maio de 2020 um post com conteúdo falso replicado por Bolsonaro nos stories de sua conta.
A mensagem indicava incorretamente que o número de mortes por doenças respiratórias havia caído entre março e maio de 2020, mas, na realidade, houve um aumento de 33% naquele período.
Rede social classifica como fake news mensagem compartilhada por Bolsonaro
O post passou a ser sinalizado como falso após checagem da Agência Lupa, que tem parceria de verificação de notícias com o Facebook. O Fato ou Fake, serviço de checagem de fatos do Grupo Globo, também conferiu a veracidade da informação. É #FAKE.
Apesar do post no Instagram ter sido marcado como falso, os usuários ainda podem ter acesso ao conteúdo se quiserem.
“Quando um conteúdo é classificado como falso ou parcialmente falso por um verificador de fatos, nós o tornamos mais difícil de encontrar no Instagram e o rotulamos de acordo para que as pessoas possam decidir melhor o que ler, confiar e compartilhar”, disse a rede social, na ocasião.