Como provar que você merece entrar na Mensa, o ‘clube’ de pessoas de alta inteligência?


Irmandade exige que candidato tenha desempenho superior a 98% das pessoas de sua idade nos testes de inteligência. Especialista explica que superdotados não necessariamente são excelentes alunos na escola. Mensa é uma espécie de ‘clube’ de pessoas de alta inteligência
Getty Images
Depois que o g1 publicou nesta quarta-feira (3) a história de Gustavo Saldanha, de 8 anos, o brasileiro mais novo a ser aceito em um “clube internacional de gênios”, muita gente parece ter pensado: “ué, eu também sou inteligente e quero estar lá!”.
Após mais de 24 horas, o número de acessos à página brasileira da Mensa, nome dessa “irmandade” de superdotados, continua 3 vezes acima da média registrada em dias normais. Mães de outras crianças também procuraram a instituição para saber como é possível associá-las ao clube.
A seguir, descubra quais os critérios de seleção para participar do grupo no Brasil. Já fica um aviso aqui: é preciso ter um desempenho melhor do que 98% dos indivíduos da sua idade em um teste de inteligência.
Menino de 8 anos é o brasileiro mais novo a ser aceito em ‘clube internacional de gênios’
Que tipo de inteligência é ‘aceito’ pela Mensa?
Priscila Zaia, psicóloga supervisora nacional da Mensa Brasil, desmistifica a ideia de que só excelentes alunos são superdotados.
“Não precisa só tirar nota dez: pode ser um estudante com desempenho dentro do esperado na escola, mas que tenha outras habilidades avançadas para a idade cronológica”, explica.
O indivíduo pode nem ser tão bom em matemática, por exemplo, mas ter uma excelente memória.
“Temos uma definição de superdotação que é multidimensional”, explica Zaia.
Ela cita exemplos de outras aptidões consideradas pela psicologia na avaliação de inteligência:
raciocínio rápido para resolver problemas e pensar em soluções (o cérebro de pessoas com altas habilidades processa rapidamente o que deve ser feito);
boa memória operacional (capacidade de executar uma tarefa enquanto manipula outro tipo de informação);
facilidade para discriminar sons ou visualizar detalhes de imagens;
atenção elevada ao ambiente;
memória de longo prazo.
Existe uma idade mínima para entrar na Mensa?
Sim. Na Mensa Brasil, são aceitos candidatos a partir de 13 anos, porque não há, por enquanto, um programa de atendimento voltado à infância.
Crianças brasileiras que queiram se associar ao “clube dos gênios” podem procurar, como Gustavo, o processo específico da Mensa International, que não estipula uma idade mínima.
Encontro de membros da Mensa Brasil em 2018
Divulgação/Mensa Brasil
Como funcionam os testes de inteligência? Quais os preços?
A Mensa Brasil aceita duas formas de ingresso:
Wais III (ou Wisc 4, que é a versão para menores): teste externo que deve ser aplicado por profissionais inscritos no Conselho Federal de Psicologia. Seu conteúdo é sigiloso, para que os candidatos não se preparem previamente.
Há perguntas e respostas sobre conhecimentos adquiridos; atividades de execução (para resolver problemas), de montagem e de cópia; além de instrumentos que avaliem velocidade de raciocínio, memória e capacidade de resolução de problemas.
A pessoa interessada em fazer parte do “clube” pode ter a partir de 13 anos: ela procura um psicólogo que aplique o Wais III ou o Wisc 4 e envia o laudo para a associação, que verificará se o desempenho foi suficiente e se o documento é fidedigno.
Se o profissional que aplicou o teste for credenciado pela Mensa, a submissão custará R$ 149. Feito por um psicólogo sem parceria com a irmandade, o valor sobe para R$ 500 (já que exige mais trabalho para verificar sua autenticidade).
Processo seletivo diretamente na Mensa: a associação tem um instrumento próprio de avaliação, validado pelo Conselho Federal de Psicologia.
Neste caso, o candidato pode se inscrever para fazer um teste coletivo, junto com um grupo de 5 a 10 participantes.
Veja as próximas datas e locais de aplicação do teste, restrito para maiores de 17 anos:
* Brasília, Porto Alegre, Belo Horizonte e São José dos Campos (SP): 20/11
* Salvador: 27/11
A taxa de inscrição é de R$ 98. Há também a possibilidade de fazer a avaliação individualmente, em outras datas e cidades (R$ 148).
Como a nota é calculada?
O número de acertos é avaliado segundo a metodologia do teste: existe uma pontuação bruta, que deve ser comparada a uma “amostra normativa”. Por exemplo: um jovem de 17 anos alcançou x pontos. Quanto isso significa quando comparado a outros adolescentes dessa idade? Ele foi melhor ou pior do que os demais dessa faixa etária?
Com base nessa nota final, chega-se ao chamado “percentil”. Na Mensa, é preciso ter “percentil de 98 ou mais”.
“Isso significa que a pessoa precisa ter um desempenho superior a 98% das pessoas da sua idade”, explica a psicóloga da associação.
“O número do QI (quociente de inteligência) não é mais usado como referência.”
E depois de entrar na Mensa?
Os resultados dos testes chegam de 15 a 30 dias depois. Quem for aceito passa a conviver com outras pessoas de alta inteligência ou superdotação.
No Brasil, são 1.881 membros (5 deles menores de 18 anos).
“Na minha visão, o primeiro ponto positivo de descobrir seu nível de inteligência é o autoconhecimento”, explica Zaia. “Você vai saber por que se sente diferente das pessoas com quem convive. Isso pode trazer respostas para a sua vida.”
No “clube”, diz a psicóloga, é possível “encontrar outras pessoas semelhantes a você, desenvolver redes de relacionamentos e participar de programas da Mensa de outros países”.