Com ‘Morena’, Luan Santana pisa em terreno já ocupado por outros cantores do universo pop brasileiro


Apresentada pelo artista em live feita em abril do ano passado, música tem refrão aliciante e as assinaturas de compositores que já forneceram hits para Felipe Araújo e Barões da Pisadinha. Capa do single ‘Morena’, de Luan Santana
Divulgação
Resenha de single
Título: Morena
Artista: Luan Santana
Composição: Breno Cesar, Diego Barão, Lucas Santos e Shylton Fernandes
Edição: Sony Music
Cotação: * * * 1/2
♪ Aos 30 anos, Luan Santana está atento aos sinais do mercadão pop brasileiro. Não é à toa que a música escolhida para marcar a estreia do cantor sul mato-grossense na gravadora Sony Music – Morena, posta em rotação em single lançado na noite de quinta-feira, 17 de junho, e em clipe previsto para estrear as 12h desta sexta-feira, 18 – traz as assinaturas dos compositores Breno Cesar, Diego Barão, Lucas Santos e Shylton Fernandes.
Para quem não liga o nome ao som, Diego Barão é um dos autores de Atrasadinha (2018), megahit gravado por Felipe Araújo com Ferrugem. Já Shylton Fernandes é um dos compositores de Recairei (2020), sucesso da dupla Os Barões da Pisadinha.
Ou seja, Luan Santana diminui o teor de açúcar do repertório mais romântico do artista para investir em mistura pop dançante com maior dose de sensualidade.
Composta em 2019, Morena é música inédita em disco, apresentada pelo cantor em abril de 2020 na live História com arranjo mais roots que evidenciava o fato de ter a canção ter nascido com a cadência da vaneira, gênero musical gaúcho que acabou se misturando com os ritmos genericamente rotulados como forró.
No single gravado com produção musical de Lucas Santos, Morena reaparece embalada em formato híbrido que tritura referências de sertanejo, reggaeton e forró com apelo pop(ular). O refrão “Se eu não conseguir dormir, não é cafeína / É culpa da morena, do beijo da morena” soa especialmente aliciante e valoriza a música.
Enfim, Morena tem pegada e aquela mistureba pop que costuma conquistar a maior parte do povo brasileiro.
Ainda assim, a gravação de Morena jamais justifica toda a pompa e todo o marketing, centrado no clipe de acabamento cinematográfico filmado por Luan, sob direção de Bruno Llogti, com a modelo e DJ norte-americana (de ascendência croata e cubana) Natalia Barulích – convidada a assumir a personagem recusada por Juliette Freire.
Até porque, a rigor, com Morena, Luan Santana pisa em terreno já ocupado por outros cantores também atentos aos sinais do mercado brasileiro de música pop.