Cinemark oferece plano de demissão voluntária para funcionários do RJ; Kinoplex dá férias coletivas


Segundo o sindicato, alternativa ao PDV é um programa de qualificação profissional e pagamento de parte da remuneração mensal. Proposta ainda precisa ser aprovada pelo Ministério do Trabalho. Cinemas do Rio oferecem planos de demissão e férias coletivas para funcionários
Daniel Silveira/G1
Diante da determinação do governo do Rio de Janeiro de suspender o funcionamento dos cinemas, a rede Kinoplex antecipou as férias coletivas de todos os funcionários do estado. Já a rede Cinemark, a maior do país, propôs, nesta segunda-feira, um Plano de Demissão Voluntária ou um Programa de Qualificação Profissional remunerado.
De acordo com o presidente do Sindicato dos empregados de empresas teatrais e cinematográficos do Rio de Janeiro, Paulo Balmant, a rede Kinoplex “não deu alternativa nenhuma aos funcionários” e decidiu antecipar as férias de todos os trabalhadores no Rio.
Já a Cinemark, segundo Balmant, ofereceu duas propostas: a adesão a um plano de demissão voluntária, no qual será garantido ao funcionário o saque do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) sem o pagamento da multa rescisória, ou um Programa de Qualificação Profissional remunerado.
Na segundo opção, ainda segundo o sindicalista, o funcionário ficará sem trabalhar participando de cursos online e receberá até cerca de 80% de sua remuneração líquida, excluídos os adicionais de auxílio transporte e alimentação.
“A maioria parece que vai querer a segunda opção, disse Balmant. Ele destacou que os funcionários terão 24 horas para manifestar sua escolha.
As propostas da rede Cinemark foram apresentadas nesta segunda-feira durante assembleia em um dos complexos da rede em Botafogo, na Zona Sul do Rio. O G1 não foi autorizado a acompanhar o encontro.
A Cinemark não detalhou as propostas oferecidas aos seus funcionários. Em nota, comunicou que atendeu “às determinações de diversas autoridades” e suspendeu o funcionamento de suas salas tanto no Rio quanto no Distrito Federal e que, diante disso, “iniciou diálogo com seus colaboradores e sindicato para encontrar de forma conjunta as melhores alternativas para a administração da crise sanitária e econômica”.
A decisão de fechar os cinemas no Rio de Janeiro foi anunciada pelo governador Wilson Witzel na sexta-feira (13). Em decreto, ele estabeleceu diversas medidas para evitar a aglomeração de pessoas, que inclui a suspensão, também, das atividades em teatros, museus e lonas culturais.