Cientistas descobrem 30 novas espécies de invertebrados nas Ilhas Galápagos


Entre as descobertas estão quatro espécies de lagostas okupa, uma de coral copa gigante, dez de corais de bambu, três de octocorais, uma de estrela-quebradiça e 11 de esponjas. Cientistas descobrem 30 novas espécies invertebradas em Galápagos, no Equador
Reprodução/Parque Nacional de Galápagos
Trinta novas espécies de invertebrados, como lagostas e corais, foram descobertas na reserva marinha do arquipélago equatoriano de Galápagos, a segunda maior do mundo, informou nesta segunda-feira (17) o Parque Nacional de Galápagos (PNG).
Entre as descobertas estão quatro espécies de lagostas okupa, uma de coral copa gigante, dez de corais de bambu, três de octocorais, uma de estrela-quebradiça e 11 de esponjas, destacou a entidade em um comunicado.
Também foi encontrado o primeiro coral macio solitário gigante conhecido no Pacífico Tropical Oriental, reportou em outro comunicado a Fundação Charles Darwin (FCD), que integrou as instituições a cargo da investigação.
Tartarugas gigantes de Galápagos voltam para casa após ajudarem a salvar espécie
Missão Galápagos: reviva expedição científica às ilhas que mudaram a história da ciência
“As profundezas marinhas seguem sendo a última fronteira da Terra e este estudo permite conhecer a fundo as comunidades menos conhecidas das ilhas Galápagos”, disse o cientista marinho espanhol Pelayo Salinas de León, da FCD e do projeto da National Geographic Pristine Seas, que dirigiu o estudo.
As descobertas foram feitas com aparelhos submarinos controlados remotamente, que desceram a 3.400 metros de profundidade, segundo o PNG.
A expedição, realizada em 2015 e cujos resultados foram divulgados na segunda, explorou pela primeira vez três montanhas submarinas, situadas ao redor das ilhas Darwin e Wolf.
“Estes montes submarinos antigos se encontram dentro da Reserva Marinha de Galápagos e estão protegidos de práticas humanas destrutivas como a pesca de arrastro de fundo ou a mineração em águas profundas, atividades que têm efeitos catastróficos nestas comunidades frágeis”, acrescentou Salinas de León.
Entre as ilhas Darwin e Wolf, no norte do arquipélago das Galápagos, existe um santuário natural de 38 mil km2 com a maior população de tubarões do mundo.
O diretor do PNG, Danny Rueda, manifestou por sua vez que as profundezas da reserva marinha de Galápagos, com 138 mil km2, abrigam alguns dos hábitats mais diversos que sustentam a biodiversidade das ilhas, situadas a 1 mil km da costa do Equador.
Galápagos tem um dos ecossistemas mais frágeis, com flora e fauna únicas no mundo. Serviu de laboratório natural para o naturalista inglês Charles Darwin, para que concebesse sua teoria sobre a evolução das espécies.